Prémio Liberdade de Expressão da DW vai para jornalistas ucranianos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 02.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Prémio Liberdade de Expressão da DW vai para jornalistas ucranianos

Os jornalistas ucranianos Evgeniy Maloletka e Mstyslav Chernov são os vencedores do Prémio Liberdade de Expressão da DW este ano. Ambos arriscaram a própria vida para documentar o cerco da Rússia à cidade de Mariupol.

Fotografado por Chernov, Maloletka aponta para o fumo após um ataque aéreo a um hospital

Fotografado por Chernov, Maloletka aponta para o fumo após um ataque aéreo a um hospital

O Prémio Liberdade de Expressão da DW este ano será atribuído ao fotojornalista freelance Evgeniy Maloletka e ao repórter cinematográfico e fotojornalista da Associated Press Mstyslav Chernov, que juntos documentaram o cerco e destruição da cidade portuária de Mariupol, no sudeste da Ucrânia, bem como o trabalho de médicos e agentes funerários, e o sofrimento de inúmeras vítimas.

As suas imagens de uma maternidade destruída por bombas russas foram vistas em todo o mundo.

Verpixelt - Ukraine Entbindungsstation Bombardierung Geburtsklinik

Maloletka documentou o ataque de 9 de março à maternidade em Mariupol

Segundo Maloletka, quando a Rússia reconheceu a independência das chamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk em fevereiro, tornou-se claro para os jornalistas que a guerra era inevitável - a única questão era quando iria começar.

"Estávamos conscientes de que iriam tentar estabelecer um corredor para anexar a Crimea via Mariupol", diz Maloletka. Quando a invasão começou a 24 de fevereiro, os jornalistas estavam em Mariupol, uma cidade portuária no Mar de Azov.

Mariupol foi uma das primeiras cidades na mira da Rússia. "Filmámos mísseis a atingir edifícios de apartamentos", lembra Maloletka. Inicialmente, a parte leste de Mariupol foi afetada pelos bombardeamentos; além disso, outras partes da cidade estavam relativamente silenciosas e os jornalistas conseguiam trabalhar, na medida do possível, relata o jornalista.

Russland Ukraine Krieg | Foto von Mstyslav Chernov

Um abrigo anti-bombas improvisado em Mariupol registado por Chernov

A defesa de Mariupol

Durante os dias seguintes, um número crescente de soldados ucranianos chegou a Mariupol. Maloletka  diz que "todos os militares entraram na cidade porque já não era possível manter posições nos campos". Os bombardeamentos tornaram-se mais intensos, inclusive no centro da cidade. Houve ataques aéreos, e grupos russos de sabotagem e reconhecimento estavam fora da cidade.

Tornou-se mais difícil circular livremente. Menos e menos pessoas e veículos podiam ser vistos nas ruas, e as linhas telefónicas foram-se desmoronando gradualmente até que o contacto foi cortado a 10 de março. "As pessoas entraram em pânico e perguntaram-nos o que se estava a passar", recorda Maloletka. "Tentaram obter qualquer tipo de informação e perguntaram-nos sobre os corredores humanitários".

Freedom of Speech Award 2022, Mstyslav Chernov, Videojournalist, Ukraine

Chernov relatou as notícias da região antes do início da invasão russa

Os jornalistas acompanharam as agências funerárias enquanto recolhiam os corpos dos hospitais. Como muitos cemitérios não eram acessíveis, alguns dos mortos foram enterrados em quintais. Enquanto o número de mortos continuava a aumentar, valas comuns eram escavadas. "Uma vala, de aproximadamente 30 metros de comprimento e 3 metros de profundidade, foi escavada", conta Maloletka, "e os corpos dos hospitais foram ali enterrados".

Chernov e Maloletka também observaram raparigas e rapazes a serem vítimas da invasão russa. "Todas as crianças hospitalizadas que foram fotografadas por nós morreram", lamenta Maloletka. "Crianças de quinze anos, mas também bebés de três meses de idade, morreram em resultado dos bombardeamentos. É muito difícil tirar as mortes de crianças da cabeça".

Ukraine-Konflikt - Mariupol

Um bloco de apartamentos em Mariupol atingido por um bombardeamento russo

Mariupol em ruínas

Gradualmente, quase toda a infraestrutura de Mariupol foi destruída, diz Maloletka - dos hospitais ao quartel dos bombeiros, com todas as suas unidades de combate a incêndios. "Destruíram os bombeiros, presumivelmente para assegurar que a extinção de incêndios na cidade e a retirada de pessoas das ruínas seria impossível", relata Maloletka, "e para espalhar o medo entre a população".

Depois, as tropas russas entraram na cidade. "Estão a avançar com tanques, arrasando tudo à vista antes de avançarem de um bairro para o outro", conta Maloletka. "Essa é uma tática medieval: se não se consegue conquistar e manter uma cidade, arrasa-a até ao chão".

Ukraine-Krieg Mariupol | verletzte Frau

Maloletka e um paramédico ajudaram esta mulher ferida, nesta imagem tirada por Chernov

Quando uma bomba atingiu um hospital-maternidade a 9 de março, os jornalistas estavam perto do local. "Ouvimos barulho de aviões, rapidamente seguido de múltiplas explosões", lembra Maloletka. "Houve uma explosão muito forte, que estilhaçou as janelas das casas vizinhas. Vimos que tudo foi esmagado ali. Pessoas em estado de choque vieram a correr da cave. Vimos como as mulheres grávidas eram levadas para baixo. Foi uma visão avassaladora".

Maloletka não acredita que o edifício tivesse albergado posições militares ou equipamento militar, como afirma a Rússia. Apenas uma seção do hospital havia servido como uma clínica militar.

Freedom of Speech Award 2022, Bildauswahl

Os corpos de pessoas mortas por bombardeamento, como registado por Maloletka

Os jornalistas tinham entrado no hospital fortemente danificado para falar com mulheres na maternidade quando os tanques russos se aproximaram subitamente, conta Maloletka. "Estivemos escondidos dentro do hospital durante quase um dia inteiro. Estávamos a usar uma bata branca, fazendo-nos passar por médicos, e filmamos tanques russos a conduzir pela cidade", afirma.

Na manhã de 12 de março, as forças especiais ucranianas conseguiram levar os jornalistas para um local seguro. "O nosso veículo tinha desaparecido, e só pudemos circular livremente em Mariupol de forma limitada", diz Maloletka. "Mais tarde, agentes da polícia ajudaram-nos no acesso à Internet via satélite, o que nos permitiu a transferência de dados".

Ambos foram aconselhados a salvarem-se a si próprios. "Foi-nos dito que, se fôssemos apanhados pelos russos, eles obrigar-nos-iam a dizer à câmara o que quisessem - inlcuindo que as nossas reportagens eram mentiras", afirma Maloletka. "Posso passar sem a experiência de ser submetido ao tratamento dos detidos por parte dos serviços secretos russos", diz.

Russland Ukraine Krieg | Mariupol

Mariana Vishegirskaya, fotografada por Chernov, deu à luz noutro hospital

Evacuação de Mariupol

A 15 de março, Maloletka e Chernov deixaram a cidade de Mariupol. "Conduzimos muito lentamente. Na estrada entre Mariupol e Orikhiv, pouco antes de Zaporizhzhia, havia pelo menos um posto de controlo por aldeia. No total, atravessámos cerca de 15 ou 16 postos de controlo russos. Temíamos que os nossos telefones fossem confiscados, mas isto não aconteceu. À noite, cruzámos finalmente a fronteira entre as tropas russas e ucranianas", conta.

Freedom of speach award 2022, Evgeniy Maloletka Fotojournalist, Ukraine

Evgeniy Maloletka

Segundo a Procuradoria-Geral ucraniana, 18 membros da imprensa foram mortos até ao final de abril, outros oito foram raptados, três jornalistas foram dados como desaparecidos e outros 13 ficaram feridos. Estes grupos incluem ucranianos, mas também 19 membros da imprensa do Reino Unido, República Checa, Estados Unidos, Dinamarca, Emiratos Árabes Unidos, Rússia, Irlanda, Suíça, França e Lituânia.

Desde 2015, o Prémio Liberdade de Expressão da DW tem honrado uma pessoa ou iniciativa que tem desempenhado um papel importante na promoção dos direitos humanos ou da liberdade de expressão nos meios de comunicação social.

Zelensky agradece protesto que interrompeu emissão em direto na Rússia

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados