Portagens na circular de Maputo: Taxa alta ″vai-nos escangalhar″ | Moçambique | DW | 14.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Portagens na circular de Maputo: Taxa alta "vai-nos escangalhar"

Em Moçambique, foi lançado um movimento cívico contra a instalação de portagens na circular de Maputo. A ONG CDD reclama que a colocação não foi antecedida de debate público e denuncia falta de estradas alternativas.

Chinesische öffentliche Arbeiten in Maputo

Estrada Circular de Maputo

A construção da circular de Maputo, iniciada em 2012 e ainda em curso, com uma extensão de 70 quilómetros, foi bem acolhida na altura por muitos setores, pois era vista como uma alternativa para ajudar a descongestionar o tráfego rodoviário da capital para o centro e norte do país, até aí limitado a estrada nacional número 1 (N1).

Contudo, a decisão da instalação das portagens, que deverão entrar em funcionamento no segundo semestre deste ano, está a ser alvo de críticas.

O Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD) lançou uma campanha denominada "povo diz não às portagens na circular”, que inclui a recolha de assinaturas. 

"É uma petição para o Tribunal Administrativo para que esta entidade possa cancelar o andamento das obras de construção das portagens, porque elas são  desnecessárias, completamente contra o desenvolvimento urbano que se está a registar naquela zona e são contra o desenvolvimento que é justamente o objetivo principal da construção da estrada circular”, explica Adriano Nuvunga, diretor da ONG.

Receitas para manter a estrada

As autoridades justificam a instalação das portagens com a necesssidade de garantir receitas para a manutenção da estrada. Mas, Adriano Nuvunga rebate que "as portagens são promovidas onde o setor privado constrói as infraestruturas para recuperar o seu investimento e não é este o caso".

"As pessoas estão a dizer não às portagens, [porque] a estrada circular foi construída com dinheiro público através de endividamento com credores chineses, o povo moçambicano já está a pagar através dos mais variados impostos esse dinheiro" ilucida Nuvunga.

Mosambik | Adriano Nuvunga

Adriano Nuvunga, diretor da ONG CDD

E portanto, entende que "não há necessidade de construção de portagens, muito menos de quatro portagens na zona metropolitana, dentro da cidade, e num contexto onde não há uma estrada alternativa para as pessoas se movimentarem sem ter que passar pela portagem”.

"Vai-nos escangalhar"

Nuvunga considera que a medida peca também por não ter sido antecedida de um debate público: "Veja onde se colocaram as portagens, é lá onde reside a população. Na zona da elite da mesma estrada não se colocou a portagem, porque é a população que tem que pagar e num quadro onde claramente nós suspeitamos aqui".

E em jeito de alerta o ativista afirma: "Se olhar para a governação, havia a Maputo sul que extinguiram e criaram uma outra entidade detida pelo Fundo de Estradas, (REVIMO), como concessionária da Estradas, que permite a participação de privados" e questiona: "Quem vão  ser os privados? São eles os chefes.”

Nordino Paulo Novela é mototaxista e utente da circular de Maputo. segundo ele "as portagens são muitas. A minha opinião é que deveria ser aplicada uma taxa um bocadinho baixa, não ser tipo a taxa que se cobra na portagem da Matola. Deviam ser mais ou menos 15 ou 20 meticais. Se for a mesma taxa vai-nos escangalhar".

Assistir ao vídeo 04:02

Uma alternativa aos transportes públicos em Maputo

Leia mais