Polícia proíbe novo protesto no Zimbabué | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 19.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Polícia proíbe novo protesto no Zimbabué

Polícia zimbabueana proibiu protesto antigovernamental marcado para esta segunda-feira em Bulawayo, a segunda maior cidade do país e um bastião da oposição. Autoridades justificam com "preocupações com a segurança".

A polícia zimbabueana voltou a proibir um protesto contra a administração do Presidente Emmerson Mnangagwa.

"Foi emitida uma proibição para Bulawayo devido a preocupações com a segurança", afirmou Paul Nyathi, porta-voz da polícia.

"Vários grupos de comerciantes também apelaram ao tribunal superior para não autorizar a marcha, porque muitos deles perderam as suas possessões em janeiro, quando houve protestos semelhantes."

Simbabwe Präsidentschaftswahl Emmerson Mnangagwa erklärter Wahlsieger

Presidente do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa

O protesto em Bulawayo foi convocado pela maior força da oposição, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC, na sigla em inglês). O partido acusa o Presidente Mnangagwa de má-gestão e de reprimir as vozes críticas no país.

Na semana passada, a polícia interditou outra manifestação em Harare. Mas centenas de pessoas desafiaram a proibição e foram para as ruas da capital, na sexta-feira (16.08), para protestar contra a pior crise económica da última década, com a inflação a atingir os 175% e com a falta de pão e combustível.

A polícia usou gás lacrimogéneo, canhões de água e cassetetes para dispersar os manifestantes. Várias pessoas ficaram feridas.

O líder do MDC, Nelson Chamisa, disse na sexta-feira que o partido continuaria a mobilizar pessoas para protestar contra o Governo, mas sublinhou que pretende evitar o derramamento de "sangue nas ruas".

Leia mais