Polícia prendeu 150 manifestantes no Egito, dizem ONGs | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 22.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Polícia prendeu 150 manifestantes no Egito, dizem ONGs

Protestos que pediram renúncia do Presidente egípcio, Abdul Fatah Al Sisi, na sexta-feira passada, resultaram em detenções massivas em várias cidades do país. Maior parte dos manifestantes se concentrou na praça Tahrir.

Protestos anti-governamentais ocorreram no Cairo e outras cidades do Egito

Protestos anti-governamentais ocorreram no Cairo e outras cidades do Egito

Organizações não-governamentais do Egito informaram este domingo (22.09) que pelo menos 150 manifestantes foram detidos durante os protestos contra o presidente egípcio, Abdul Fatah Al Sisi, que tiveram lugar no Cairo e em outras cidades do país na sexta-feira passada.

O advogado Mukhtar Munir, da ONG Associação para a Liberdade de Pensamento e Expressão (AFTE), disse que as detenções "de jovens que estavam na praça Tahrir e arredores" foram aleatórias.

A ONG Centro Egípcio para os Direitos Sociais e Econômicos recebeu denúncias de detenções de 45 pessoas que participaram dos protestos nas cidades do Cairo, Alexandria, Dumiat e Mahala.

Os manifestantes se reuniram em pequenos protestos no local que serviu de epicentro da Primavera Árabe, em 2013, no Cairo – a praça Tahrir – para exigir a renúncia de Abdul Fatah Al Sisi. A polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar o protesto.

Convocação pelas redes sociais

Ägypten Anti-Regierungsproteste in Kairo

Manifestantes pedem a renúncia do Presidente egípcio no Cairo

As manifestações aconteceram após uma convocação realizada nas redes sociais pelo empresário e ator Mohamed Ali, cujos vídeos e denúncias na internet impactaram a opinião pública egípcia. De Barcelona, onde diz que reside, Ali sacudiu as redes sociais de seu país com duras acusações de corrupção ao presidente, que acabaram viralizando.

O próprio Presidente respondeu a essas acusações, afirmando que os projetos realizados nos últimos cinco anos pelo seu Governo são da nação egípcia e que as acusações contra ele são "mentiras".

Embora a manifestação não tenha reunido uma grande quantidade de pessoas, as redes sociais destacaram a incomum concentração em um país em que os corpos de segurança atuam de forma incisiva diante de qualquer sinal de manifestação contra o governo.

ONGs como a Human Rights Watch criticaram duramente o governo egípcio pela repressão, e chegaram a rotular o país como "uma prisão ao ar livre".

Leia mais