Polícia impede manifestação em Luanda | Angola | DW | 04.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Polícia impede manifestação em Luanda

As forças de segurança angolanas impediram um protesto em Luanda contra a continuidade do MPLA no poder. Há registo de, pelo menos, 20 detenções. Dois manifestantes terão sido baleados e foram levados para o hospital.

Vários manifestantes com ferimentos graves estão a ser assistidos no Hospital Américo Boa Vida em Luanda. O banco de urgência está sob forte aparato policial.

Cinco manifestantes deram entrada no hospital e mais estariam a caminho, adiantou uma fonte da unidade de saúde, que pediu o anonimato.

Dezenas de jovens foram esta quinta-feira (04.02) para as ruas de Luanda exigir alternância política e pedir a responsabilização criminal dos agentes que atingiram mortalmente várias pessoas no sábado passado no setor de Cafunfo, província da Lunda Norte, durante uma manifestação pacífica.

"Exigimos justiça em Cafunfo", lia-se num dos cartazes dos manifestantes na capital angolana. "MPLA, partido dos assassinos", dizia outro.

Repressão policial

Para o local da manifestação foram destacados agentes a cavalo e a brigada canina.

As forças de segurança impediram os manifestantes de avançar até ao Largo 1.º de maio, agredindo-os à bastonada e lançando gás lacrimogénio.

"Fomos até aos Congoleses pacificamente e a Polícia de Intervenção Rápida (PIR) apareceu e começou a lançar gás lacrimogéneo e depois começaram disparar balas reais", explicou um dos manifestantes, Lourenço Ndombolo. "Dispersámo-nos, entrámos nos bairros e começaram a perseguir-nos. Infelizmente, como há traidores entre o povo angolano, havia sempre pessoas a trair a nossa posição."

Há relatos de que dois manifestantes foram baleados: "Um foi levado ao centro médico do Beiral e outro ao Américo Boa Vida. Infelizmente, não conseguimos entrar em contacto porque os telefones estão desligados", afirmou Ndombolo. 

Pelo menos 20 pessoas foram detidas durante o protesto desta quinta-feira. Algumas delas não eram manifestantes, estavam apenas a assistir ao protesto. De acordo com o ativista Lourenço Ndombolo, a polícia soltou alguns detidos fora da cidade de Luanda.

O protesto decorreu no dia em que Angola comemora 60 anos desde o início da luta de libertação nacional. Os jovens dizem estar cansados da governação do MPLA, que já dura há 45 anos. Para eles, o partido liderado pelo Presidente João Lourenço já não tem nada para oferecer ao povo de Angola.

"Não queremos mais MPLA. Se o MPLA continuar a matar, também vamos preferir morrer porque os nossos antepassados também entregaram as suas almas para libertar este país. A nossa manifestação é pacífica. É a polícia que causa a desorganização", afirmou um manifestante.

Assistir ao vídeo 02:15

Angola: "João Lourenço, em 2022 vais gostar"

Leia mais