PM britânico determinado em manter voos para Ruanda apesar das críticas | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 14.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

PM britânico determinado em manter voos para Ruanda apesar das críticas

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou que o Governo não será "intimidado ou afetado" e que vai prosseguir com o plano de enviar migrantes ilegais para o Ruanda. Iniciativa tem sido amplamente criticada.

Manifestação em Londres contra medida do Governo britânio

Manifestação em Londres contra medida do Governo britânio

Durante o conselho de ministros semanal, Johnson garantiu que as numerosas críticas, "algumas de quadrantes ligeiramente inesperados", não o vão dissuadir de implementar a política controversa, que também foi contestada nos tribunais.

A iniciativa do governo conservador foi criticada pela oposição parlamentar, organizações humanitárias, líderes religiosos e, segundo o jornal The Times, também, em privado, pelo Príncipe Carlos.

"Vamos manter o nosso objectivo, que é o de garantir que fazemos uma distinção clara - que penso que todos podem apreciar ser justa e razoável - entre imigração legal para este país por vias seguras e legais, que apoiamos, defendemos e protegemos porque todos compreendemos os benefícios que traz, e migração ilegal perigosa através do Canal da Mancha, que pretendemos travar", justificou.

Demover bandos criminosos

O líder conservador manteve que a deportação de requerentes de asilo recém-chegados, essencialmente homens solteiros, para o Ruanda é a única forma de demover os bandos criminosos que organizam a travessia marítima de França para a Grã-Bretanha.

Boris Johnson

Boris Johnson garantiu que as numerosas críticas não o vão dissuadir de implementar a política controversa

Johnson passou esta mensagem horas antes de o primeiro voo descolar para o país africano, esta noite, embora ainda não se saiba quantos imigrantes estarão a bordo devido a uma série de ações judiciais individuais pendentes nos tribunais britânicos.

O executivo disse que o avião vai partir mesmo que transporte apenas um passageiro, a fim de criar um precedente para os traficantes de pessoas.

O Tribunal de Recurso britânico recusou na segunda-feira suspender a descolagem de aviões até julho, quando está previsto um julgamento para determinar se o plano do governo é legal, na sequência de uma acção judicial intentada por sindicatos e organizações não-governamentais.

Ruanda pronto a acolher migrantes

Entretanto, o Governo do Ruanda voltou esta terça-feira (14.06) a defender o controverso acordo, dizendo-se pronto a receber milhares no quadro deste programa "inovador".

A porta-voz do Governo, Yolande Makolo, disse em conferência de imprensa em Kigali, capital do Ruanda, que o acordo constitui "uma solução para um sistema de asilo mundial defeituoso".

"As pessoas podem ter a sua opinião sobre este programa em função da sua origem ou da forma como ele é descrito nos ‘media’. Mas para nós trata-se de fazer parte de uma solução para um sistema de asilo mundial defeituoso", disse.

Acrescentou ainda: "Estamos felizes por acolher milhares ao longo do programa. O nosso Presidente comprometeu-se a acolher mais de 30 mil, por isso temos capacidade para fazê-lo", afirmou.

Artigo atualizado às 18h52 (CEST) 

Leia mais