Paz: Encerrada primeira base militar da RENAMO em Moçambique | Moçambique | DW | 14.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Paz: Encerrada primeira base militar da RENAMO em Moçambique

Trata-se da primeira de 16 bases a encerrar no âmbito do acordo de paz no país, e está situada nas proximidades de Dondo, província de Sofala. Foram retirados todos os materiais perigosos, armamento e pessoas.

O Governo moçambicano, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) e grupo de contacto para a paz oficializaram, este sábado (13.06), o primeiro encerramento de uma base militar do principal partido da oposição, no âmbito do processo de paz no país.

"Tenho o prazer de informar que, no âmbito do reinício das atividades de desmilitarização, desarmamento e reintegração (DDR), foi oficialmente encerrada a primeira base militar da RENAMO", referiu, em comunicado, Mirko Manzoni, enviado pessoal do secretário-geral das Nações Unidas para Moçambique e presidente do grupo de contacto.

Esta foi a primeira de 16 bases a encerrar, referiu fonte do processo à Lusa.

Segundo Mirko Manzoni, uma equipa de inspeção confirmou que na base situada nas proximidades de Dondo, província de Sofala, já não havia pessoal, nem armamento ou outros materiais perigosos. 

"Foi devidamente elaborado e aprovado por todas as partes um relatório exaustivo e um documento de encerramento", no que representa "um avanço significativo no processo", acrescentou.

Todos os ex-combatentes da base "estão agora em casa e a iniciar as suas novas vidas", sendo que para as comunidades da zona o momento é um marco definitivo de "regresso à paz", acrescentou.

"Continuaremos a trabalhar no sentido de encerrar todas as bases e de assegurar a paz", conclui o enviado de António Guterres.

Depois de meses de interregno, o processo de DDR voltou a arrancar na última semana quando 38 ex-guerrilheiros da RENAMO em Sofala entregaram as armas, num processo de desmobilização que será feito por fases, devido às medidas de prevenção contra a pandemia de covid-19.

Prevê-se que 5.000 ex-guerrilheiros sejam abrangidos com medidas que lhes permitam uma reintegração na sociedade.

Leia mais