Partidos angolanos em vias de extinção depois das eleições de 2012 | Angola | DW | 12.09.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Partidos angolanos em vias de extinção depois das eleições de 2012

Extinto, segundo a lei dos partidos, o Partido Popular em Angola prepara-se para re-fundar o partido. A lei que pune os partidos que não tenham obtido 0,5% nas eleições é vista pelo partido como um boicote à oposição.

Campanha eleitoral de 2012 na capital angolana

Campanha eleitoral de 2012 na capital angolana

Extinto, segundo a lei dos partidos, o Partido Popular em Angola prepara-se para re-fundar o partido. A lei que pune os partidos que não tenham obtido 0,5% nas eleições é vista pelo partido como um boicote à oposição.

Em Angola o artigo 33 da lei dos partidos políticos prevê a eliminação de um partido, por decisão do Tribunal Constitucional, se este não atingir 0,5% do total de votos expressos nas eleições legislativas. O mesmo artigo prevê também a mesma sanção aos partidos que não participem por duas vezes consecutivas, isoladamente ou em coligação em qualquer eleição legislativa ou autárquica, com programa eleitoral e candidatos próprios.

Assim estão ameaçados vários partidos, incluindo a Nova Democracia que na anterior legislatura esteve no Parlamento com dois assentos, mas que esta vez apenas conseguiu 0,23% dos votos.

Outro que nem sequer conseguiu participar nos últimos dois pleitos foi o Partido Popular (PP). David Mendes (DM) secretário-geral do PP foi entrevistado pela DW África.

DW África: A lei angolana dos partidos políticos é das poucas no mundo que penaliza partidos políticos com baixos resultados nos escrutínios. Como vê esta punição?

David Mendes: Essa é uma medida administrativa que pretende afastar algumas figuras do processo democrático que o país está a viver. Um partido não pode ser afastado, sob o ponto de vista administrativo, só porque não conseguiu concorrer em eleições. Se o argumento usado fosse a falta de atividade do partido de facto, talvez ai se justificaria. Mas o Partido Popular (PP) tem referência nacional e não só, ele existe realmente, o que demonstra a nossa existência política.

DW África: Então a lei em causa pode aniquilar a oposição?

DM: Visa esse objetivo. Veja o exemplo da Nova Democracia. Como aceitar que um partido que esteve durante quatro anos no Parlamento, porque não atingiu 0,5% dos votos nestas eleições, é automaticamente extinto. Isto não tem uma explicação lógica. Qual é a razão que leva a extinção de um partido por não ter atingido os 0,5%? São medidas que visam impedir um verdadeiro movimento político em Angola.

Esta será a segunda vez que o PP se re-funda. Primeiro designou-se FOFAC e foi extinto em 2008 pelos mesmos motivos

Esta será a segunda vez que o PP se re-funda. Primeiro designou-se FOFAC e foi extinto em 2008 pelos mesmos motivos

DW África: A lei exige aos partidos políticos mais pequenos algum esforço adicional para a sua sobrevivência. O que o PP pretende fazer?

DM: Vamos criar todas as condições para re-fundar o partido. A lei exige 7500 assinaturas, nós temos mais do que este número em todo o país, e em menos de uma semana podemos reunir todos elementos constitutivos para que o partido volte a ser aceite pelo Tribunal Constitucional. Para nós este não é um verdadeiro inconveniente.

DW África: Fora a época eleitoral, quais são as atividades do seu partido?

DM: Somos dos poucos partidos virados para a luta contra a corrupção. A nossa atividade está direcionada para os casos de corrupção e desvio de fundos e trazemos esses casos a conhecimento público. Fazemos isso a nível nacional, desde os governos provinciais, as administrações, e, como é obvio, a presidência da República. Temos dado apoio às outras organizações da sociedade civil, particularmente no exercício do direito a manifestação. Temos estado em quase todas as manifestações, quer a nível nacional, quer a nível provincial.

Autora: Nádia Issufo
Edição: António Rocha

Ouvir o áudio 03:58

Fracos resultados nas eleições angolanas penalizam PP

Leia mais