Parlamento português vai ouvir ministro sobre situação em Cabo Delgado | Moçambique | DW | 06.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Parlamento português vai ouvir ministro sobre situação em Cabo Delgado

Parlamento em Lisboa vai realizar uma audição ao ministro dos Negócios Estrangeiros português sobre a situação em Cabo Delgado. Deputados consideram que o "Parlamento não se pode aliar deste grave problema humanitário".

Posto policial no distrito de Macomia após ataque em Cabo Delgado

Posto policial no distrito de Macomia após ataque em Cabo Delgado

A audição ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, foi aprovada esta terça-feira (07.04) na comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, anunciou na sua página na rede social Facebook o grupo parlamentar do CDS, que fez o requerimento.

No texto do requerimento, datado de 30 de março, o CDS assinala que "nos últimos dias a situação agravou-se de forma substancial, evoluindo para um verdadeiro clima de guerra civil".

Assistir ao vídeo 04:09

Terrorismo em Cabo Delgado no topo da agenda bilateral Portugal-Moçambique

O texto, assinado pelo deputado Telmo Correia, defende que o "Parlamento português não se pode aliar deste grave problema humanitário" e recorda que os sucessivos ataques em Cabo Delgado já causaram "milhares de mortes e mais de 700.000 deslocados".

Violência no norte moçambicano

A violência desencadeada há mais de três anos na província de Cabo Delgado ganhou uma nova escalada há cerca de duas semanas, quando grupos armados atacaram pela primeira vez a vila de Palma, que está a cerca de seis quilómetros dos multimilionários projetos de gás natural.    

Os ataques provocaram dezenas de mortos e obrigaram à fuga de milhares de residentes de Palma, agravando uma crise humanitária que atinge cerca de 700 mil pessoas na província, desde o início do conflito, de acordo com dados das Nações Unidas.

Infografik Karte Mosambik Gasfelder EN

O movimento terrorista Estado Islâmico reivindicou na segunda-feira o controlo da vila de Palma, junto à fronteira com a Tanzânia, mas as Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas reassumiram completamente o controlo da vila, anunciou no domingo o porta-voz do Teatro Operacional Norte, Chongo Vidigal.

Vários países têm oferecido apoio militar no terreno a Maputo para combater estes insurgentes, mas, até ao momento, ainda não existiu abertura para isso, embora haja relatos e testemunhos que apontam para a existência de empresas de segurança e de mercenários na zona.

Leia mais