Parlamento moçambicano aprova Orçamento de Estado para 2022 | Moçambique | DW | 15.12.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Parlamento moçambicano aprova Orçamento de Estado para 2022

Orçamento de Estado e Plano Económico Social foram aprovados com os votos da FRELIMO. Oposição considera o documento distante das necessidades das populações e "irrealista".

A bancada da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) viabilizou esta quarta-feira (15.12 )o Orçamento de Estado (OE) e o Plano Económico Social (PES) com 144 votos.

Já a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), principal partido da oposição, e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro partido, rejeitaram os documentos, com 48 votos contra.

A FRELIMO considerou que o OE de 2022 favorece o desenvolvimento do país e "continua a responder aos anseios e preocupações dos moçambicanos", referiu o partido na sua declaração de voto. Para a bancada da maioria, o Governo privilegia a implementação de uma política monetária e fiscal prudente, de forma a impulsionar o crescimento económico e a combater os efeitos da Covid-19 e do "terrorismo" na região norte.

OE "irrealista", diz oposição

No entanto, a RENAMO e o MDM qualificaram o documento como distante das necessidades das populações e "irrealista", de forma a concentrar recursos nos órgãos centrais do Estado em prejuízo da descentralização. Para a MDM, o PES e o OE representam um falhanço no combate à pobreza da população moçambicana.

"Mudar a forma de bater" para combater a insurgência em Moçambique

"O Governo continua a dar primazia às despesas de funcionamento em detrimento das de investimento, consubstanciando uma fraca visão sobre as reais necessidades que afligem o povo moçambicano", indicou o principal partido da oposição na sua declaração de voto.

"65,4% dos recursos estão concentrados a nível central, apenas 34,6% para as províncias, distritos e autarquias, o que contraria no espírito e na letra o processo de descentralização em curso no país", afirmou a bancada do MDM.

Projeções de crescimento

O OE e o PES estimam que o país vai "atingir um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,9%". É uma projeção mais ambiciosa que os 1,5% de crescimento previstos para 2021 e que é "influenciada pelos preços das principais mercadorias no mercado internacional" e pelo avanço da vacinação contra a Covid-19.

O Governo aponta como meta 5,3% de inflação média anual e quer "alcançar o valor de 5.203 milhões de dólares (4.569 milhões de euros) em exportações de bens" e constituir reservas internacionais líquidas para seis meses de importações de bens e serviços.

Prevê que os donativos cresçam 2,5 vezes, de 514,8 milhões de dólares (454 milhões de euros) contabilizados em 2020, valor semelhante também para 2021, e que salte para 1.316 milhões de dólares (1.162 milhões de euros) em 2022. As doações para projetos e programas especiais apresentam os maiores incrementos.

O executivo projeta um défice orçamental equivalente a 13,5% do PIB, maior que em anos anteriores (12,7% nas contas de 2020 e 9,1% previsto para 2021). É antecipado um aumento do défice da conta de bens, que "decorre do incremento assinalável das importações, sobretudo dos grandes projetos, refletindo a implantação do Projeto Coral Sul na bacia do Rovuma".

Maputo: Histórias de mulheres que carregam o sustento à cabeça

 

Leia mais