Parlamento líbio aprova corte de relações com Turquia | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Parlamento líbio aprova corte de relações com Turquia

Decisão foi tomada, este sábado (04.01), numa sessão "urgente" do parlamento, na sequência do acordo de cooperação militar e de segurança assinado entre Ancara e o Governo de Acordo Nacional (GNA).

O parlamento líbio, que não reconhece a legitimidade do Governo de Acordo Nacional (GAN), aprovou este sábado (04.01), "por unanimidade", a rotura das relações com a Turquia.

O parlamento exigiu também que o chefe do GNA, Fayez al-Sarraj, fosse julgado por "alta traição", afirmou o porta-voz da assembleia, Abdallah Bleheq, à Agência France Presse (AFP).

Foi ainda aprovado "o cancelamento dos memorandos de segurança e cooperação militar [...] entre o Governo" de al-Sarraj e Ancara.

Türkei Präsident Recep Tayyip Erdogan (picture-alliance/AA/H. Sagirkaya)

Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan

A decisão da Líbia surge depois de, na quinta-feira, os parlamentares turcos terem aprovado uma moção permitindo que o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, envie soldados para a Líbia para apoiar o GNA de Trípoli contra a ofensiva do marechal Khalifa Haftar, o homem forte no leste da Líbia.

O presidente da Comissão da União Africana (UA), Moussa Faki Mahamat, disse, entretanto, estar "profundamente preocupado com a deterioração da situação na Líbia e o sofrimento contínuo do povo líbio".

"As várias ameaças de interferência política ou militar nos assuntos internos do país aumentam o risco de confronto, com motivações que nada têm a ver com os interesses fundamentais do povo líbio e as suas aspirações por liberdade, paz, democracia e desenvolvimento", referiu Moussa Faki Mahamat.

Duas autoridades disputam o controlo da Líbia: o GNA, reconhecido pela Organização das Nações Unidas, e um Governo e um parlamento no leste da Líbia sob o comando de Haftar.

Leia mais