Papa em Moçambique: Pastores satisfeitos com sinal de ″paz″ | Moçambique | DW | 02.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Papa em Moçambique: Pastores satisfeitos com sinal de "paz"

Papa Francisco chegará a Maputo um mês depois da assinatura do acordo final de paz entre o Governo e a RENAMO. Pastores ouvidos pela DW em Chimoio vêem visita como uma "grande benção" para o "bem-estar" dos moçambicanos.

Foto de arquivo (2018): Filipe Nyusi numa audiência privada com o papa Francisco no Vaticano.

Foto de arquivo (2018): Filipe Nyusi numa audiência privada com o papa Francisco no Vaticano.

O papa Francisco chega a Moçambique em plena campanha eleitoral e numa altura em que a chamada autoproclamada Junta Militar da RENAMO ameaça bloquear o processo. Chega também num momento de tensão no norte, com ataques na província de Cabo Delgado, que já provocaram a morte de cerca de 200 pessoas.

Apesar de tudo isto, pastores ouvidos pela DW África em Chimoio consideram que esta visita do papa Francisco é um bom sinal, um sinal de "paz", que beneficiará os moçambicanos.

O país prepara a passadeira vermelha para receber o sumo pontífice. Segundo o Governo, serão gastos 20 milhões de meticais (quase 300 mil euros) com os preparativos.

Mozambique | Maiba Wache

Maiba Wache, pastor da igreja "Full Gospel".

Antes da visita, o papa apelou à "reconciliação fraterna" em Moçambique e em África, para uma "paz firme e duradoura". Francisco chegará a Maputo um mês depois da assinatura do acordo final de paz entre o Governo moçambicano e o maior partido da oposição, a RENAMO.

Um garante da paz?

Para Creva Gama, pastor da igreja "Missão Fé Apostólica" em Moçambique, esta visita do papa "não é uma visita qualquer": "É uma visita que tem a ver com o bem-estar deste país, o bem-estar dos moçambicanos, e é uma visita que está a acontecer depois da assinatura da cessação das hostilidades, portanto, vem confirmar mais uma vez que o nosso senhor Deus ouve as orações dos seus filhos", considera.

Mozambique | Creva Gama

Creva Gama, pastor da igreja "Missão Fé Apostólica".

Quatro anos depois da última visita de um papa a Moçambique, em 1988, a guerra civil terminou e foi assinado o primeiro acordo de paz do país. O papa Francisco disse que vai a Moçambique para "ver a sementeira" feita por João Paulo II.

Maiba Wache, pastor da igreja "Full Gospel" e vice-presidente do Conselho de Religiões na província de Manica, descreve a visita do papa Francisco a Moçambique como "uma grande bênção e uma grande dádiva" para o país. "Ainda nos podemos recordar dos ganhos que tivemos pela vinda do outro papa. Quando entrou em Moçambique, nós tivemos a paz que durou 20 anos. Foi graças à visita do papa", afirma.

Ouvir o áudio 03:07

Papa em Moçambique: Pastores satisfeitos com sinal de "paz"

Wache relativiza as críticas recentes de um padre moçambicano, que afirmou que a visita do papa em plena campanha para as eleições gerais de outubro poderia beneficiar o partido no poder, a FRELIMO. "Nós, como religiosos, tudo entregamos nas mãos de Deus. Deus é quem tem o poder de escolher o homem certo que possa conduzir o destino desse país", sublinha.

O pastor Creva Gama concorda: "Ao dizermos que ele vem para que o Presidente Nyusi seja reeleito estaríamos a afirmar coisas não muito certas, porque ele não vem a convite de um partido político, e ele não vem por causa das eleições. É uma coincidência".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados