Ottmar von Holtz, um africano branco no Parlamento alemão | NOTÍCIAS | DW | 25.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ottmar von Holtz, um africano branco no Parlamento alemão

Ottmar von Holtz é um dos 709 membros do Parlamento alemão. No entanto, diferente de muitos lá: é o único namibiano. Tem dupla nacionalidade e dois passaportes - até hoje é um migrante.

Ottmar von Holtz (Bündnis 90/Die Grünen) I Bundestag

O parlamentar namibiano Ottmar von Holtz no Bundestag

À primeira vista, Ottmar von Holtz parece-se com aquele bondoso professor de história, de quem quase todos nos lembramos carinhosamente, mesmo anos depois de terminar o ensino secundário: cabelo grisalho, óculos, sorriso amigável...

Usando uma máscara, por causa da Covid-19, entra na imponente sala de conferências do Bundestag, o Parlamento alemão. Senta-se em frente a um grande mapa do mundo. 

Von Holtz Nasceu em Gobabis, leste da Namíbia, em 1961, a mais de 12 mil quilómetros de Berlim. Mas teve a infância protegida que só as crianças brancas podiam ter. Desde a Primeira Guerra Mundial, a Namíbia, então chamada Sudoeste Africano Alemão, pertencia à África do Sul, onde a segregação racial também se aplicava.

Namibia wird unabhängig | 20.3.1990 |

A segregação racial também se aplicava na Namíbia, ex-Sudoeste Africano Alemão

Os seus caminhos dificilmente se cruzavam com os da maioria negra. O ativista Henning Melber, que cresceu na mesma escola de Ottmar von Holtz, recorda esta história.

"Éramos na verdade estranhos no nosso próprio país, porque só conhecíamos esta sociedade minoritária dentro da qual nos movíamos", explica. "Isso também se aplica à escola para onde eu e Ottmar fomos, mesmo que ele só lá tenha chegado dez anos mais tarde. Era a 'Deutsche Höhere Privatschule' [escola privada superior alemã], que até então tinha sido uma escola exclusivamente de língua alemã para brancos", relata.

Segregação racial 

A segregação racial não passou despercebida aos olhos de Von Holtz. Certo dia, quis visitar a mãe no trabalho após a aula. Um negro mais velho entrou no edifício com ele.

"Eu tinha mantido a porta aberta para ele entrar no elevador comigo. Mas o homem disse que tinha de ir pelas escadas. Não percebi isso. Foi quando ele apontou para o sinal que estava pendurado sobre o elevador e disse-me: 'Só para brancos [...]. Não me é permitido'. Essa foi uma experiência chave em minha vida, nunca mais esqueci-me, e pensei: 'algo não está bem aqui'", conta.

Namibia Unabhängigkeitskampf 1989

Soldado sul-africano na Namíbia (dir.) interroga jovem de uma aldeia sobre a SWAPO, em abril de 1989

Depois disso, von Holtz começou a sua pequena rebelião. Sentar-se nos bancos reservados aos negros, onde ele não deveria estar. Ou mesmo entrar nas filas reservadas às pessoas negras. Entretanto, não chegou a juntar-se à luta da Organização do Povo do Sudoeste Africano (SWAPO, sigla em inglês), como outros brancos fizeram.

Importante decisão 

Mesmo assim, von Holtz precisou tomar uma importante decisão quando todos os brancos com mais de 16 anos deviam cumprir o serviço militar no exército sul-africano, durante 48 meses. Na vizinha Angola, o exército estava a combater, num conflito sangrento contra a SWAPO.

Ottmar von Holtz, MdB, Die Grünen

Sobre a mesa de Ottmar von Holtz, no Bundestag, estão os jornais namibianos, de 30 anos atrás

Mas ele não queria a guerra. Fica então claro para Ottmar von Holtz que só pode escapar ao serviço militar se sair. Aos 27 anos, muda-se para a Alemanha, o país dos seus antepassados. "Não era minha segunda casa, sempre fui um estrangeiro", diz.

"A Namíbia é simplesmente o país da minha juventude. Os cheiros, as paisagens, as pessoas, a diversidade, a música, a forma como as pessoas interagem. Oh, os sons. Essas são as coisas que me fazem sentir em casa quando lá estou e posso experimentar isso. E sinto falta disso", lamenta Holtz. 

Hoje, sobre a mesa de Ottmar von Holtz no Bundestag estão os jornais namibianos. A maioria deles tem cerca de 30 anos, mas são suave e amorosamente dobrados, como se fossem um tesouro especial. As primeiras páginas falam dos dias de alegria da Namíbia: as primeiras eleições livres em 1989 e a Independência do país, em 1990. 

Assistir ao vídeo 01:07

Genocídio na Namíbia: um capítulo sangrento da história colonial da Alemanha