Ossufo Momade pede prolongamento do estado de emergência em Moçambique | Moçambique | DW | 27.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ossufo Momade pede prolongamento do estado de emergência em Moçambique

Presidente da RENAMO alertou para o aumento do número de infeções pelo coronavírus no país e pediu apoio para as camadas mais pobres da população.

"Em face do aumento progressivo de propagação da covid-19 no país, a RENAMO recomenda a prorrogação do estado de emergência como forma de evitar que atinjamos o nível 4” de restrições, ou seja, confinamento domiciliar, ou chamado ‘lockdown’, que "seria catastrófico para todo o país", considerou.

Ossufo Momade falava numa comunicação aos jornalistas, sem direito a perguntas, na sede da RENAMO, esta segunda-feria (27.4), em Maputo. Ele assinalou que o alargamento do estado de emergência deve ser acompanhado de medidas de apoio às famílias pobres, visando atenuar o impacto social das restrições.

Nesse sentido, prosseguiu, sugeriu que os serviços de água e energia sejam gratuitos para a população mais pobre e para os funcionários e trabalhadores que recebem o salário mínimo. Propôs também que seja reduzida a taxa do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) e suspendido o pagamento de taxas de portagem.

Assistir ao vídeo 02:43

Covid-19: Confinamento impulsiona negócios em Maputo

"Advogamos que o combate à Covid-19 pode ser feito sem violência e sem confinar a população a uma situação de mendicidade", referiu Ossufo Momade.

Ajuda financeira

Por outro lado, a RENAMO defende que o Estado deve pagar as suas dívidas às empresas, para criar liquidez e assegurar o funcionamento das unidades produtivas, assim como estabelecer linhas de crédito com juros bonificados ou prestar garantias a conceder através dos bancos comerciais para agilizar a concessão de crédito - em linha com ideias que o executivo já prometeu para o setor privado.

A ajuda deve privilegiar empresas que operam na área de saúde, acrescentou o partido.

O presidente da RENAMO defendeu igualmente a criação de incentivos financeiros para os funcionários expostos ao risco de contaminação pelo coronavírus, principalmente médicos, enfermeiros e polícias.

Estado de emergência

Moçambique vive em estado de emergência durante todo o mês de abril, com espaços de diversão e lazer encerrados, proibição de todo o tipo de eventos e de aglomerações, recomendando-se a toda a população que fique em casa, se não tiver motivos de trabalho ou outros essenciais para tratar.

Durante o mesmo período, há limitação de lotação nos transportes coletivos com obrigatoriedade do uso de máscaras faciais, as escolas estão encerradas e a emissão de vistos para entrar no país está suspensa.

A declaração do estado de emergência prevê a adoção de medidas de política fiscal e monetária sustentáveis "para apoiar o setor privado a enfrentar o impacto económico da pandemia".

Moçambique tem um total cumulativo de 76 casos, sem registo de mortes. O número de mortos em África subiu para 1.423, com 31.933 casos da doença registados em 52 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia no continente.

Assistir ao vídeo 02:53

Moçambique: Os muitos problemas da crise de Covid-19

Leia mais