Os desafios do futebol feminino na Nigéria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 08.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Os desafios do futebol feminino na Nigéria

Apesar de incontáveis vitórias na CAN, equipa nacional de futebol feminino da Nigéria sofre com salários não-pagos e dificuldades em conseguir patrocinadores.

'Super Falcons' é a melhor equipa de futebol feminino de África

'Super Falcons' é a melhor equipa de futebol feminino de África

A equipa nacional de futebol feminino da Nigéria é a mais forte e vitoriosa de África. Apelidada de "Super Falcons", a equipa foi várias vezes campeã da Copa das Nações Africanas (CAN) de futebol feminino e garantiu uma vaga na Copa do Mundo Feminina de 2019. Entretanto, as jogadoras enfrentam uma série de desafios.

A jogadora Tochukwu Oluehi lamenta que o desempenho da equipa tenha sido negligenciado por muito tempo e que não haja recursos suficientes. "A Super Falcons está a ser o melhor para a África, tanto para homens quanto para mulheres. A Super Falcons foi o que trouxe glória ao país. Como uma nação, a Nigéria não está a tratar essas raparigas como deveria. Às vezes, negligenciam as raparigas", critica. 

Nigeria - Frauenfußballmannschaft

A equipa nacional de futebol feminino da Nigéria acumula vitórias

As jogadoras foram forçadas a ir às ruas em protesto contra salários não-pagos. A desigualdade no valor dos pagamentos em relação aos jogadores da equipa nacional de futebol masculino da Nigéria é também um problema.

"A Nigéria foi deixada para trás nessas discussões. Não estamos nem a pedir que paguem o mesmo valor, mas eles deveriam aumentar um pouco os salários", argumenta Tochukwu Oluehi.

Enquanto patrocinadores como a Adidas estão a apoiar jogadoras dos Estados Unidos que exigem igualdade nos salários, o suporte à Super Falcons é muito pequeno. "O vice-presidente da Federação Nigeriana de Futebol disse que o patrocínio não estava disponível, porque ele achava que a Super Falcons era uma equipa para cultivar lésbicas, o que considerei completamente ignorante e muito inapropriado", afirmou a ativista Pamela Adie, de Lagos.

"Nós não temos ninguém que esteja a apoiar financeiramente. Então, o que podemos gerar internamente é o que também colocamos de volta na liga", explica Aisha Falode, presidente da Liga de Futebol Feminino da Nigéria (NWFL).

Superação

Apesar de todos os desafios, o objetivo principal da Super Falcons é desempenhar uma excelente performance na Copa do Mundo Feminina. "Eu acho que isso vai mudar muitas coisas em África, porque vão dizer que muitas coisas que os homens não fizeram as mulheres conseguiram fazer. E isso vai abrir as mentes de muitas pessoas", afirmou Tochukwu Oluehi.

Este ano, pela primeira vez, a equipa feminina nigeriana recebeu um grande patrocínio da mídia para um comercial de TV com o título provocativo "Temos coragem".  Será essa uma oportunidada para a Super Falcons ganhar a atenção do mundo?

Este sábado (08.06), a equipa da Nigéria enfrenta a Noruega pelo Grupo A no segundo dia da Copa do Mundo Feminina 2019 no estádio Auguste Delaune, em Reims, na França. Um dos destaques da equipe é a atacante Asisat Oshoala, que joga no Barcelona e foi eleita três vezes a melhor jogadora africana, em 2014, 2016 e 2017.

A 8ª Copa do Mundo de Futebol Feminino da FIFA será realizada na França até 7 de julho. Neste ano, 24 equipes disputam o título.

Leia mais