Oposição moçambicana exige apoios para vítimas do apagão bancário | Moçambique | DW | 21.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Oposição moçambicana exige apoios para vítimas do apagão bancário

Estão restabelecidas as operações bancárias, paralisadas desde sexta-feira, anunciou o primeiro-ministro na sessão de perguntas dos deputados ao Governo moçambicano. Oposição não se mostrou conformada com as explicações.

O primeiro-ministro moçambicano, Carlos Agostinho do Rosário, disse esta quarta-feira (21.11.) no Parlamento que foi encontrada uma solução de implementação imediata para normalizar as transações financeiras através do uso das ATM's e PO's [pontos de venda].

"A partir das primeiras horas de hoje começaram a entrar em funcionamento as ATM's e PO's [caixas multibanco e pagamento através de cartões eletrónicos] ligadas à rede SIMO (Sistema Interbancário de Moçambique). A situação está normalizada", afirmou o governante moçambicano.

"Sistema financeiro continua estável"

Do Rosário apelou a todos os utentes a continuarem a utilizar os bancos moçambicanos, sublinhando que o sistema financeiro continua estável, seguro e bem capitalizado.

Mosambik Maputo Premierminister Carlos Agostinho do Rosário (picture-alliance/dpa/A. Silva)

Carlos Agostinho do Rosário

O restabelecimento do funcionamento normal do sistema nacional de pagamentos, nomeadamente nas ATM's, PO's, assim como a "conta móvel" e cartões, foi confirmado pela Associação dos Bancos através de um comunicado. A Associação informa que "até ao final de hoje, a larga maioria dos cartões e terminais de processamento estarão já a funcionar, em todo o país, sem restrições de qualquer ordem".

Dados divulgados pela Confederação das Associações Económicas estimam que os bancos comerciais ligados à rede de sistema interbancário do país perdiam diariamente, desde o apagão, na última sexta-feira (16.11.) cinco milhões de meticais, o equivalente a cerca de 71 mil euros. Ainda de acordo com a fonte, a faturação dos grandes centros comerciais caiu em 90% e dos restaurantes e hotéis em 70%.

Oposição quer ver os danos reparados

Para o deputado Silvério Ronguane, do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), impõe-se reparar os danos resultantes do apagão e a questão que se coloca é a seguinte:

Silvério Ronguane (privat)

Silvério Ronguane

"A quem deverão as chamadas vítimas do Banco de Moçambique recorrer para receber as devidas indeminizações?"

Um outro tema que dominou a sessão parlamentar está relacionado com o recente acordo de princípios, alcançado pelo Governo com parte dos credores para a reestruturação da divida contraída pela empresa EMATUM com o aval do executivo sem o conhecimento do Parlamento e dos parceiros internacionais. Para o deputado Mostagildo Bachir, da RENAMO, "o Governo ao apressar na negociação das dívidas inconstitucionais em detrimento da celeridade processual que deve ser requerida para a responsabilização criminal e administrativa dos autores das dívidas ocultas, ficou claro em definitivo que o Governo está ao lado dos que endividaram ilegalmente o país".

Estado tem que honrar os compromissos

Por seu turno, o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, disse que o Governo tinha que negociar a reestruturação do empréstimo contraído pela EMATUM, por se tratar de uma dívida soberana, e o Estado tem que honrar os seus compromissos.

Ouvir o áudio 02:30
Ao vivo agora
02:30 min

Oposição moçambicana exige apoios para vítimas do apagão bancário

Questionado sobre o que teria levado o Governo a comprometer-se a conceder 5 por cento das receitas da exploração do gás para o pagamento da divida, Maleiane esclareceu que a proposta não foi feita pelo executivo, mas resultou de uma contraproposta dos credores.

Na fase de conclusão da negociação do acordo, a proposta será submetida às entidades competentes, nomeadamente o Parlamento, à Procuradoria-Geral da República, assim como ao Tribunal Administrativo, segundo indicou o primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário.

Progressos nas conversações com FMI

Do Rosário anunciou, igualmente, progressos no diálogo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). "Os progressos são testemunhados pelas intenções de ambas as partes, nós e o FMI, em aprofundar as diferentes formas de reforçar a cooperação incluindo o estabelecimento de um programa para o nosso país".

A sessão de perguntas dos deputados ao Governo prossegue este quinta-feira pelo segundo e último dia.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados