Oposição condena uso de meios do Estado para pré-campanha | Moçambique | DW | 29.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Oposição condena uso de meios do Estado para pré-campanha

Na província de Inhambane, sul de Moçambique, a oposição acusa o governador Daniel Chapo de usar meios do Estado para fazer já campanha pela FRELIMO. É uma ação que, lembra o CIP, é punível com sanções.

Joel Jeremias, porta-voz do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) em Inhambane, afirma que o governador Daniel Chapo tem andado de distrito em distrito a fazer propaganda à Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO, no poder).

"Assistimos àquilo que faz ultimamente - circular em todos distritos [em missão do governo], dizendo que é a FRELIMO que faz isso e aquilo, e isso nós condenamos", diz Jeremias em entrevista à DW África.

Mosambik Maputo Daniel Chapo

Daniel Chapo, candidato da FRELIMO a governador em Inhambane

Chapo é o atual governador da província de Inhambane e foi eleito como candidato da FRELIMO ao cargo nas eleições de 15 de outubro.

Recentemente, o político terá reunido com funcionários públicos e usado viaturas do Estado em atos de pré-campanha, em contravenção à lei, segundo várias denúncias. Nas redes sociais, circulam imagens em que Chapo aparece em cima de uma viatura tapada com um pano, alegadamente para não ser identificada.

Uso de meios estatais é "comum"

De acordo com Joel Jeremias, do MDM, este tipo de atuação não é novidade: "O uso de meios do Estado por parte do partido no poder é comum", afirma.

Mamud Beny Agy, porta-voz da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), apela, no entanto, a todos os partidos que, durante a campanha eleitoral, usem unicamente os seus meios.

Ouvir o áudio 02:46

Oposição condena uso de meios do Estado para pré-campanha

"É preciso que os dirigentes, os candidatos dos partidos políticos e outras organizações, quando as atividades são de natureza política, usem os meios dos seus partidos, porque é esta falta de separação de poderes que nos traz conflitos", diz Agy.

Na semana passada, num encontro com jornalistas, o governador Daniel Chapo recusou falar diretamente sobre o uso de meios do Estado em campanhas eleitorais. Apelou, no entanto, aos jornalistas para estarem atentos: "Há aspetos que são correntes, que fazem parte da campanha… Mas durante a campanha eleitoral também vão acontecendo alguns aspetos que não são correntes", disse apenas.

A DW África tentou obter uma reação da FRELIMO sobre o tema, sem sucesso.

Sheila Guimarães, pesquisadora do Centro de Integridade Pública (CIP) de Moçambique, adverte, porém, que "a lei prevê sanções para quem usar bens do Estado" para fins partidários.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados