Oposição angolana rejeita resultados parciais das eleições | Angola | DW | 02.09.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Oposição angolana rejeita resultados parciais das eleições

A oposição angolana, leia-se os partidos que, de acordo com os resultados parciais divulgados pela Comissão Nacional Eleitoral, ficaram em segundo e terceiro lugar, avisam que não aceitam a vitória do MPLA.

Eleições angolanas

Eleições angolanas

Se a contagem dos votos das eleições gerais angolanas continuar ao ritmo atual o presidente angolano, José Eduardo dos Santos, deverá ser reconduzido no cargo que ocupa há 33 anos.

Com 72,56 por cento dos votos contados até às 14 horas de domingo (02.09), o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) tem a vitória assegurada com 74,14 por cento.

Ainda de acordo com os resultados provisórios anunciados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição, segue em segundo lugar, com 17,8 por cento.

Em terceira posição está a Convergência Ampla de Salvação de Angola, a coligação eleitoral mais conhecida como CASA-CE, com 4,67 por cento dos votos. Porém, a nova coligação de Abel Chivukuvuku, que se separou da UNITA, já anunciou que se reserva o direito de não reconhecer os resultados das eleições gerais em Angola.

Falta de credibilidade

O líder da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, garantiu que não foi permitido à coligação ter delegados de lista em todas as assembleias eleitorais do país; e que, ao longo do dia das eleições, na sexta feira (31.08), a sua coligação só recebeu algumas credenciais para que pudessem ter fiscais e delegados em mesas de voto.

A mesma queixa apresentou o líder da UNITA, Isaías Samakuva, à imprensa internacional: "A Comissão Nacional Eleitoral não nos permitiu ter delegados em todas as assembleias de voto. Por isso eu não sei que resultados vêm dessas assembleias onde não tivemos delegados. A Comissão Nacional Eleitoral fez eleições sem cadernos eleitorais em várias assembleias de voto."

Samakuva não confia nos resultados oficiais: "Muitas coisas aconteceram, há muitas irregularidades, muitas violações da lei eleitoral. Por isso não confio na Comissão Nacional Eleitoral."

Oposição angolana enfatiza desorganização durante o escrutínio

Oposição angolana enfatiza desorganização durante o escrutínio

CNE admite alguns erros

A UNITA mantém a anunciada intenção de impugnar os resultados. E a CASA-CE criou uma equipe para fazer o processamento, "município por município", de todas as atas de comissões eleitorais e "conferir, confirmar ou contestar, se houver discrepâncias" entre os valores anunciados pela Comissão Nacional Eleitoral e o que consta nos documentos.

Entretanto, a Comissão Nacional Eleitoral já admitiu ter havido alguns constrangimentos, mas sem interferência nos resultados. Opinião idêntica tem o deputado sul-africano Patekile Holomisa, observador nestas eleições.

"Todos aqueles que quiseram participar, participaram. Em todas as assembleias de voto que visitei, os delegados eleitorais estavam lá, o que é crucial", defendeu Holomisa.

O governo corrobora os observadores internacionais, como afirmou à comunicação social o ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa: "De uma maneira geral, penso que as eleições foram bem organizadas. Há algumas queixas da oposição, mas a maior parte delas foram resolvidas."

Os resultados nacionais definitivos serão divulgados, no máximo, 15 dias depois das eleições, ou seja, no limite, a 15 de Setembro.

Autora: Glória Sousa
Edição: Bettina Riffel/Cristina Krippahl

Ouvir o áudio 02:38

Oposição angolana não aceita resultados parciais das eleições

Leia mais