Oposição alerta para riscos de fraude eleitoral no Zimbabué | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 13.07.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Oposição alerta para riscos de fraude eleitoral no Zimbabué

Nelson Chamisa, candidato à presidência do Zimbabué, entregou à Comissão Eleitoral uma petição a pedir transparência no processo eleitoral. Eleições presidenciais estão marcadas para 30 de julho.

Não é certo que se vivam tempos tranquilos até 30 de julho, dia em que o Zimbabué vai a votos para eleger o próximo Presidente do país. Apoiantes da oposição ameaçam por um travão às eleições presidenciais. As palavras tornar-se-ão ações, caso a Comissão Eleitoral do país não dê atenção às exigências de igualdade nas condições de voto, alertam.

Na quarta-feira (11.07), milhares de cidadãos saíram às ruas e marcharam por toda a cidade de Harare, capital do Zimbabué, exigindo acesso ao boletim de voto e fornecimento de uma lista credível de eleitores. Teme-se que a Comissão Eleitoral esteja conivente com o partido no poder, comandado pelo Presidente Emmerson Mnangagwa, para manipular as eleições. 

"Eleitores-fantasma"

Os apoiantes da oposição acreditam na existência de vários "eleitores-fantasma" e exigem uma auditoria à lista de candidatos, para eliminar nomes que aparecem de forma repetida. Afirmam ainda que algumas moradas não existem e suspeitam que alguns números de identificação nacional não sejam verdadeiros.

Nelson Chamisa

Nelson Chamisa; candidato à presidência do Zimbabué

Nelson Chamisa, o principal candidato à presidência pela oposição, falou aos jornalistas, depois de apresentar uma petição à Comissão Eleitoral. O candidato de 40 anos, comentou que "o boletim de voto deve ser feito de forma transparente" e deve estar "de acordo com a lei do país."

No início desta semana, as autoridades da Comissão Eleitoral mostraram-se disponíveis para ouvir as preocupações da oposição, mas negam as acusações de "eleitores-fantasma". A presidente da Comissão, Priscilla Chigumba, afirma que "deve ser assegurado que todos os eleitores registados possam provar que são cidadãos do Zimbabué", deixando ainda o aviso de que "se houver algum problema com a identificação do cidadão, será excluído e não poderá votar."

Pedido inviável

Outro dos pedidos da oposição é o acesso prévio aos boletins de voto. O partido líderado por Nelson Chamisa pretende verificar fisicamente o boletim de voto, para garantir a inexistência de qualquer irregularidade.

Ouvir o áudio 02:21

Oposição alerta para riscos de fraude eleitoral no Zimbabué

No entanto, esse pedido não é viável. De acordo com a lei do Zimbabué, não é permitido que os partidos políticos verifiquem fisicamente a cédula antes do dia das eleições, por razões de segurança.

A contestação das próximas eleições presidenciais poderão ofuscar as relações com a comunidade internacional, que o Zimbabué tem vindo a desenvolver, depois do golpe militar que forçou Robert Mugabe a renunciar ao poder em novembro, do ano passado.

Observadores internacionais, incluindo da União Europeia (UE), já estão no país, para acompanhar o desenrolar dos acontecimentos, até ao dia das eleições, marcadas para o dia 30 de julho.

Direitos humanos

A Amnistia Internacional defende que os candidatos e partidos políticos no Zimbabué devem romper com o regime de Robert Mugabe e colocar nos seus programas para as eleições de 30 de julho o respeito e proteção dos direitos humanos.  

Num documento agora publicado e intitulado "Romper com o Passado", a organização não-governamental fez sete recomendações, nomeadamente o fim da pena de morte, das perseguições políticas que resultavam no desaparecimento, tortura e morte de opositores e o fim da impunidade das forças de segurança.

Pede também que acabem os despejos forçados, apela à liberdade de expressão e de associação, ao respeito pelos tratados regionais sobre os direitos humanos e pede maior atenção para políticas de saúde para mulheres e jovens.