Operação ″Sangaris″ na RCA completou um ano | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 05.12.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Operação "Sangaris" na RCA completou um ano

Um ano depois do ódio que colocou a "ferro e fogo" a capital da República Centro-Africana e fez centenas de mortos, iniciativas estão em curso para ajudar as comunidades muçulmana e cristã a viverem juntos pacíficamente.

Foi há precisamente um ano (05.12.2013) que começou a operação Sangaris, a intervenção das forças francesas na República Centro-Africana (RCA), uma intervenção militar com a qual, em parte, se conseguiu conter a violência. Mas os problemas de fundo não foram totalmente resolvidos. E é por isso que a RCA continua a lutar por uma paz duradoira. Mas o país encontra-se ainda longe da tão desejada paz.

Em 2015 vão-se realizar eleições e espera-se que desse escrutínio saia um governo capaz de vencer os desafios e as barreiras que se afiguram difíceis de ultrapassar.

Rebeldes da "Séleka" responsáveis pela situação de caos e terror

Zentralafrikanische Republik Seleka Rebellen

Membros da "Séléka" (coligação rebelde de maioria muçulmana) em Bangui

O bairro muçulmano de Bangui que dá pelo nome de PK5, mas que é mais conhecido como o "santuário dos jihadistas" ou "prisão a céu aberto" está situado nos arredores da capital centro-africana, maioritárimente cristã e onde no passado nunca houve grandes conflitos com os muçulmanos, até que a aliança rebelde, denominada "Séléka", avançou sobre Bangui, espalhando o terror e dividindo a população. Foi então que milícias cristãs retaliaram com violência, atacando os cidadãos muçulmanos no bairro de PK5 e outros.

"Viver juntos, uma oportunidade para o nosso desenvolvimento"

Um cartaz colocado na parede de uma escola reza o seguinte: "Viver em conjunto, uma oportunidade para o nosso desenvolvimento". E, de facto, realizam-se regularmente no bairro jogos de futebol entre equipas muçulmanas e cristãs.

Abdoulaye Yaya, um dos participantes muçulmanos no torneio diz que “participa nessses jogos de futebol porque todos estão sedentes de paz. Queremos a paz, não queremos conflitos. Mesmo que tenham armas, mesmo que tenham mísseis, não os utilizem! Éesse o meu apelo!"

Missões militares internacionais bem-vindas

Ouvir o áudio 03:07
Ao vivo agora
03:07 min

Operação "Sangaris" na RCA completou um ano

Um outro cartaz agradece: "Obrigado Sangaris, EUFOR e MINUSCA", referindo-se às diferentes intervenções militares de tropas internacionais na República Centro -Africana.

A intervenção francesa Sangaris começou no dia 5 de dezembro de 2013, há precisamente um ano e o analista David Smith, da organização de Consultoria Okapi, (rádio da ONU na República Democrática do Congo) diz que as tropas francesas conseguiram separar as partes beligerantes, mas não conseguiram implementar a paz.

"Desde o início da operação Sangaris, pouco foi conseguido no terreno. A operação restringe-se práticamente à capital, Bangui. No resto do país a situação continua fora de controlo e até há antigos membros das tropas governamentais centro-africanas que aderiram aos rebeldes e combatem agora as tropas oficiais", diz David Smith.

Este analista, fala também de casos pontuais, em que as tropas francesas se conseguiram impôr, sobretudo no oeste do país:

"Sem o lançamento da Sangaris , a população muçulmana provavelmente teria sido erradicada daquela região."

Eleições deverão ter lugar na segunda metade de 2015

Catherine Samba-Panza

Catherine Samba-Panza Presidente de Transição na RCA

Em 2015 a presidente de transição, Catherine Samba-Panza, deverá entregar o poder a uma nova chefia eleita democraticamente. As eleições estão previstas para fevereiro, mas observadores dizem, no entanto, que a data do escrutínio deverá ser adiada, por motivos logísticos, para a segunda metade do ano. Ao mesmo tempo, os observadores são unânimes em salientar que é urgente que se eleja um novo governo, com legitimação popular e força suficiente para fazer avançar a almejada reconciliação nacional.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados