ONU vai investigar violações contra crianças em Moçambique | Moçambique | DW | 12.07.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

ONU vai investigar violações contra crianças em Moçambique

Organização das Nações Unidas vai investigar uma série de violações contra crianças em Moçambique e noutros países com conflitos armados. "Gravidade e número de violações" em solo moçambicano preocupam, diz a ONU.

Crianças estão entre os milhares de deslocados pelo terrorismo em Cabo Delgado, norte moçambicano

Crianças estão entre os milhares de deslocados pelo terrorismo em Cabo Delgado, norte moçambicano

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, incluiu Moçambique numa lista de países em conflito que serão monitorizados pela ONU devido a violações contra crianças, incluindo assassinatos, recrutamento, abuso sexual e outras formas de violência.

Nesta lista também foram incluídos países como a Ucrânia, que desde 24 de fevereiro enfrenta a invasão russa, a Etiópia, além da região do Sahel. Outros 21 países já são monitorizados devido à mesma situação.

A informação foi avançada na segunda-feira (11.07) com a divulgação do relatório anual do secretário-geral da ONU ao Conselho de Segurança.

No caso específico de Moçambique, Guterres disse que o país entrou na lista de observação da ONU devido "à gravidade e ao número de violações relatadas" no conflito em Cabo Delgado, incluindo o recrutamento e utilização de crianças na luta armada, assassinatos e mutilações, violações e outras formas de violência sexual, ataques a escolas e raptos.

A violência terrorista contra crianças em Cabo Delgado

"Violações graves" contra crianças em 2021

A ONU disse ter verificado quase 24.000 "violações graves" contra crianças em 2021, em todo o mundo.

Os números mais elevados de violações no ano passado foram os 2.515 assassínios e 5.555 ferimentos em crianças, seguidos do recrutamento e utilização de 6.310 jovens em conflitos, informou o relatório, sem avançar detalhes dos locais destas estatísticas.

No ano passado, segundo o relatório, o número de raptos de crianças aumentou em mais de 20% e os casos de violência sexual contra crianças continuaram a aumentar, também em mais de 20%.

O número mais elevado de "violações graves" verificadas pela ONU registou-se no Afeganistão, República Democrática do Congo, Israel, Palestina, Somália, Síria e Iémen, afirmou o relatório.

Apesar dos dados divulgados, a Human Rights Watch e outras organizações de defesa dos direitos das crianças e jovens criticaram a ONU por não ter fornecido qualquer informação significativa sobre as violações contra crianças na Ucrânia, Etiópia e Moçambique.

Cabo Delgado: Pemba espera por mais deslocados de Palma

Leia mais