ONU regista violações quase diárias na RCA apesar de acordo de paz | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

ONU regista violações quase diárias na RCA apesar de acordo de paz

Segundo as Nações Unidas, seis meses depois, acordo entre Governo e grupos rebeldes da República Centro-Africana continua frágil: grupos armados não cedem controlo e violam direitos humanos quase todos os dias.

Foto de arquivo (2015): Capacete azul da MINUSCA em Bangui.

Foto de arquivo (2015): Capacete azul da MINUSCA em Bangui.

O acordo de paz entre o Governo da República Centro-Africana e os grupos rebeldes continua frágil, quase seis meses depois de ser assinado, dizem especialistas da ONU num relatório publicado no sábado (03.08).

Membros dos grupos armados que assinaram o documento violaram a lei humanitária internacional praticamente todos os dias desde então, dizem os especialistas. 

Relatório sublinha também a quase ausência de sinais de que os combatentes rebeldes tenham alterado os seus comportamentos – ou que os seus líderes tenham identificado e punido quem violou o acordo de paz.

A MINUSCA, a missão de paz da ONU no país, registou entre 10 a 70 violações do acordo de paz todas as semanas.

Manter a influência

"Desde a assinatura do acordo [a 6 de fevereiro], os principais grupos armados, em particular, os ex-Séléka [movimento rebelde muçulmano] não só mantiveram os seus postos de controlo, como reforçaram o mesmo em certos territórios e adquiriram armas", diz o relatório.

Assistir ao vídeo 05:45

Fugir da violência na República Centro-Africana

Os especialistas da ONU mantêm também o ceticismo quanto às unidades especiais mistas compostas por forças do Governo e combatentes rebeldes que deverão ser criadas, segundo os termos do acordo assinado em Cartum, no Sudão.

"Os líderes dos ex-Séléka vêm no destacamento das unidades especiais uma ocasião para oficializar o posicionamento dos seus combatentes ao longo de rotas estratégicas e em localidades nas suas zonas de influência, o que explica porque é que insistem em liderar estas unidades", indicam os autores do relatório.

Ainda assim, os especialistas da ONU notam que nenhum dos cinco acordos assinados desde que a crise começou, no final de 2012, foi capaz de mobilizar tantos esforços por parte das autoridades nacionais e internacionais.

A República Centro-Africana, um país de 4,5 milhões de habitantes entre as nações  mais pobres do mundo, mergulhou na violência e no caos em 2013, após a queda do Presidente François Bozizé pela mão da rebelião Séléka.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados