ONU apela para aplicação rápida do acordo de paz na República Centro-Africana | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.03.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

ONU apela para aplicação rápida do acordo de paz na República Centro-Africana

Secretário-geral da ONU instou os signatários do acordo de paz na RCA "a acelerar a sua aplicação". Apelo acontece um dia após a formação de um novo Governo que inclui representantes de grupos armados.

Capacetes azuis em Bangui (2016)

Capacetes azuis em Bangui (2016)

Em comunicado divulgado na noite de sábado (23.03), o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, chama também "todos os signatários do Acordo Político para a Paz e a Reconciliação a aderirem aos princípios acordados, nomeadamente a rejeição da violência e o respeito dos direitos humanos e da dignidade humana".

Guterres "congratula-se com a criação de um Governo inclusivo na República Centro-Africana em 22 de março, em conformidade com o Acordo Político para a Paz e a Reconciliação assinado em Bangui em 06 de fevereiro", acrescenta a nota de imprensa, sublinhando o "papel de primeiro plano desempenhado pela União Africana" no processo para pôr termo ao conflito.

Zentralafrikanische Republik Präsident und Rebellen unterzeichnen Friedensabkommen in Bangui

Assinatura do acordo de paz entre o Governo e grupos armados (Fevereiro de 2019)

O Presidente centro-africano, Faustin-Archange Touadéra, nomeou na sexta-feira um novo Governo que atribui mais pastas aos 14 grupos armados signatários do acordo de Cartum, sem contudo lhes confiar nenhum dos principais ministérios.

Conflito

Rica em recursos naturais, a República Centro-Africana encontra-se em guerra desde 2013, depois da queda do ex-Presidente François Bozizé por grupos armados juntos na coligação Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka. 

O conflito neste país já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária. Desde 2014, a ONU mantém no país uma força de 11 mil Capacetes Azuis para contribuir para estabilizar o país.

O Governo controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim. 

Leia mais