ONG diz que práticas reiteradas do PR angolano propiciam ″atos de corrupção″ | Angola | DW | 21.12.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

ONG diz que práticas reiteradas do PR angolano propiciam "atos de corrupção"

A Associação Justiça, Paz e Democracia (AJPD), de defesa dos direitos humanos, chamou a atenção sobre a "forma reiterada" como João Lourenço tem praticado "atos propiciadores de corrupção e desvio de fundos".

A Associação Justiça, Paz e Democracia (AJPD), de defesa dos direitos cívicos e humanos, chamou hoje a atenção sobre a "forma reiterada" como o Presidente angolano tem praticado "atos propiciadores de corrupção e desvio de fundos".

Numa declaração pública a propósito da greve dos médicos, a associação, que é membro observador da Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos, refere que, no âmbito das suas atribuições e competências, "tem seguido com bastante atenção e preocupação os vários acontecimentos que, de forma cíclica e recorrente, vão acontecendo pelo país”.

Entre os vários acontecimentos, sublinha que o Presidente da República e titular do poder executivo tem propiciado atos de "corrupção e desvio de fundos" por via da adjudicação direta de volumosos contratos a empresas de conveniência de grupo, nomeadamente a OMATAPALO, "num claro exercício de abuso do poder".

Para a AJPD, o ano de 2021 foi ainda marcado pelo flagelo de seca na região sul do país, assistindo-se "com resignação e angústia à morte de crianças de tenra idade e idosos por falta de alimento".

"Vista grossa" 

A AJPD chama também a atenção da comunidade nacional e internacional para o facto de o Executivo angolano, através do seu departamento ministerial responsável pela gestão da política da saúde, "estar a fazer vista grossa aos problemas que assolam o setor da saúde, sob o falso pretexto de combater a covid-19".

De acordo com a associação, "de forma autoritária e arrogante” todas as atenções têm sido viradas para a pandemia, "sem, contudo, ter alguma vez explicado à nação todos os meandros da logística até aqui empregues na campanha, sobretudo a nível dos serviços terceirizados".

Relativamente à situação dos médicos, a organização não-governamental manifesta-se preocupada devido ao braço-de-ferro que opõe o Sindicato dos Médicos e ao Ministério da Saúde e ao desinteresse do executivo na resolução do diferendo.

"A AJPD solidariza-se com o Sindicato dos Médicos e apela a não transigir do seu direito e nas suas reivindicações, sobretudo no que concerne ao Direito de Liberdade sindical, sob pena de criar um precedente e desprestigiar a classe médica", salienta-se na declaração, sobre a greve que os médicos realizaram entre os dias 06 e 19 deste mês.

A organização exorta o executivo "a olhar para a saúde como o elemento fundamental e indispensável ao desenvolvimento do país", apelando, igualmente, "a todos os médicos, indecisos, a unirem-se à causa do Sindicato dos Médicos".

Assistir ao vídeo 01:28

Milhares gritam "Fora, MPLA" em apoio a Adalberto Costa Júnior

Leia mais