O que esperam os moçambicanos no segundo mandato de Nyusi? | Moçambique | DW | 14.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

O que esperam os moçambicanos no segundo mandato de Nyusi?

Filipe Nyusi toma posse esta quarta-feira para um segundo mandato de cinco anos. Cidadãos ouvidos pela DW acham que o Presidente deve privilegiar o estabelecimento da paz efetiva e o combate à corrupção e ao desemprego.

O Presidente Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato depois de ter sido reeleito a 15 de outubro com uma margem confortável de 73% dos votos, contra 21,88% do seu principal adversário, o líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Ossufo Momade.

A RENAMO e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) contestaram os resultados eleitorais que também deram uma vitória qualificada à Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) no Parlamento, alegando serem fraudulentos, mas os seus deputados tomaram posse esta segunda-feira (13.01).

Filipe Nyusi será investido numa cerimónia pública na Praça da Independência, em Maputo. Uma enorme expectativa rodeia este ato, tendo o Governo decretado tolerância de ponto em todo o país.

"Um país de mais esperança"

Gilberto Correia, um dos cidadãos ouvidos pela DW África na capital, espera que o novo Governo "resolva os anseios" da população.

Ouvir o áudio 02:27

O que esperam os moçambicanos no segundo mandato de Nyusi?

"O principal desafio é a situação relativamente ao desemprego, outra questão é da própria segurança do país", aponta.

João Maiela, outro residente em Maputo, espera "paz acima de tudo, que seja a base fundamental do desenvolvimento e que Moçambique se torne um país de mais esperança para o povo."

Já Dickson Langa espera algumas "mudanças nos níveis de corrupção" e que haja mais emprego para os jovens.

FRELIMO otimista, RENAMO cética

O porta-voz da FRELIMO, Caifadine Manasse, promete "um Governo atuante" e com "sensibilidade" face aos desafios do povo, que possa "melhorar cada vez mais a vida dos moçambicanos através da construção de mais escolas, de mais hospitais, mais postos de saúde, um Governo que vai olhar para a questão das infraestruturas, a questão da paz e estabilidade como sua prioridade, um Governo que olhe para os serviços básicos como seu apanágio."

Já para o porta-voz da RENAMO, José Manteigas, esta tomada de posse não satisfaz os moçambicanos porque não resulta de eleições livres, justas e transparentes. "Quem devia tomar posse não é a pessoa que vai tomar posse, porque resulta de uma eleição fraudulenta", afirma José Manteigas.

As expetativas da RENAMO são, por isso, marcadas pelo ceticismo. "É um Governo que não vai trazer novidades, não vai demorar muito que os moçambicanos continuem a levantar a voz contra os níveis de corrupção, os níveis de assassinato, intolerância política e violação dos direitos mais elementares dos cidadãos", diz o porta-voz do principal partido da oposição.

A capital moçambicana está vestida de gala para acolher a cerimónia, sob fortes medidas de segurança. Confirmaram a presença na tomada de posse de Filipe Nyusi cerca de três mil convidados nacionais e estrangeiros, incluindo 12 chefes de Estado e seis organizações internacionais e empresariais. Já se encontram em Maputo, entre outras altas individualidades, os Presidentes Marcelo Rebelo de Sousa, de Portugal, João Lourenço, de Angola, e Emmerson Mnangagwa, do Zimbabué. 

Leia mais