″O presidente do MPLA é quem impede a realização das autárquicas″, diz UNITA | Angola | DW | 15.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

"O presidente do MPLA é quem impede a realização das autárquicas", diz UNITA

Segundo a vice-presidente da bancada da UNITA, a aprovação do pacote legislativo autárquico é o primeiro grande desafio para 2021. Mihaela Webba falou com a DW no âmbito da abertura do ano político do seu partido.

Mihaela Weba, vice-presidente da UNITA

Mihaela Weba, vice-presidente da UNITA

Esta sexta-feira (15.01), a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) abre oficialmente o seu ano político. Em entrevista à DW África, Mihaela Webba, vice-presidente do grupo parlamentar do maior partido da oposição, diz que a realização das autárquicas e a revisão constitucional serão os principais pontos focais para 2021.

DW África: Quais considera serem os maiores desafios do partido neste ano?

Mihaela Webba (MW): Do ponto de vista parlamentar, os grandes desafios que nós temos são sobretudo terminar a aprovação do pacote legislativo autárquico para que, ainda neste ano de 2021, Angola possa ter, pela primeira vez, institucionalizadas as autarquias locais e, consequentemente, a realização das primeiras eleições autárquicas no país. Este é o primeiro grande desafio em termos de legistação parlamentar.

DW África: Aprofundando a questão das autárquicas, o quê e quem, neste momento, impedem a realização dessas autárquicas neste corrente ano?

MW: Neste momento, quem impede a realização das autárquicas, quem impede que se aprove e que se termine o pacote legislativo autárquico, é o presidente do MPLA, porque, através da sua maioria no Parlamento, dá orientações para que não se discutam as restantes leis que são necessárias para que o pacote seja concluído. Sobretudo uma lei que é extremamente importante, que é a lei da institucionalização das autarquias locais. Sem essa lei não é possível realizarmos as eleições autárquicas. O Presidente da República diz recorrentemente que "é o Parlamento que não está a aprovar", mas é ele, enquanto presidente do MPLA, que dá instruções ao seu partido, e a maioria parlamentar do seu partido é que, efetivamente, não quer discutir esta lei.

Assistir ao vídeo 02:15

Angola: "João Lourenço, em 2022 vais gostar"

DW África: A UNITA tem também afirmado que quer alterar a lei eleitoral em Angola ...

MW: Nós não podemos ir para o pleito eleitoral de 2022 com a legislação atual. Ela está desatualizada, permite a falta de transparência no pleito eleitoral e, portanto, a UNITA entende que devemos efetivamente alterar a lei eleitoral, alterar a composição da Comissão Nacional Eleitoral e também a forma de provimento do cargo de presidente da Comissão Nacional Eleitoral. Esses são os grandes desafios em termos de legislação.

DW África: E o seu partido acha que seria necessária uma alteração à própria Constituição, certo?

MW: Entendemos que a nossa Constituição foi feita à medida do casaco do antigo Presidente Eduardo dos Santos. É uma Constituição que não permite um verdadeiro combate à corrupção, permite sim um combate seletivo. Coloca o Presidente da República acima da Constituição, porque tem um artigo específico que estabelece que o Presidente não é responsável pelos seus atos de governação. Portanto, o Presidente pode praticar determinados crimes no exercício das suas funções e não é responsabilizado, e isso tem de ser alterado porque permite que o Presidente pratique crimes graves de corrupção e não seja responsabilizado.

DW África: Haveria, por exemplo, em Angola a possibilidade de iniciar um processo de destituição do Presidente, caso fosse necessário?

MW: Ele pode ser destituído, mas, tendo uma maioria qualificada no Parlamento, que é o que acontece atualmente - o MPLA tem 150 deputados e a maioria qualificada em Angola são 147 deputados -, isso permite-lhe não ser destituído. Há uma série de questões na Constituição, como os excessivos poderes do Presidente da República, [e é preciso] voltar à verdadeira competência fiscalizadora do Parlamento, porque nós somos um sistema de Governo presidencial e o Parlamento não atua como verdadeiro órgão fiscalizador de atuação do poder executivo. Também isso teria de ser revisto na nossa atual Constituição.

Uma versão anterior deste artigo designava erradamente o cargo de Mihaela Webba como vice-presidente da UNITA. A informação foi entretanto corrigida. A DW pede desculpa pelo lapso.

Assistir ao vídeo 04:25

"Angola passa por transição que vai no bom sentido", diz ministro português

Leia mais