O drama das favelas em palco na Alemanha | MEDIATECA | DW | 30.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

O drama das favelas em palco na Alemanha

Teatro Lusotaque apresenta o drama dos moradores das favelas do Rio de Janeiro na peça "Os Ninguéns". A estreia foi em Colónia, mas o grupo fará digressão por outras cidades da Alemanha e França.

Assistir ao vídeo 01:57

"Eu quero ser feliz e morar tranquilamente na favela onde nasci", canta uma atriz alemã que interpreta uma vendedeira de picolé, gelado de água com sabor a frutas, cena que é interrompida por troca de disparos entre traficantes e a polícia.

"Os Ninguéns" é um exercício de dramaturgia do grupo de teatro Lusotaque, da Universidade de Colónia, que está em digressão na Alemanha e segue depois para França.

A história passa-se numa das favelas da cidade brasileira do Rio de Janeiro. A representação confunde-se com a realidade de um lugar onde os direitos fundamentais, as liberdades individuais, as diferenças sociais e o descaso das autoridades se misturam.

Lusotaque Theater Präsentation Os Ninguens

Atriz alemã no papel de vendedeira de picolé em favela do Rio de Janeiro

A situação "dolorosa" das favelas

"Os ninguéns: os filhos de ninguém, os donos de nada... Os ninguéns, que custam menos do que a bala que os mata", é um extrato de um poema de Eduardo Galeano que faz parte do argumento da peça, que retrata a invisibilidade de mais de 11 milhões de pessoas que vivem nas favelas do Brasil. Galeano (1940-2015) foi um escritor e jornalista uruguaio, autor de mais de trinta livros, traduzidos para cerca de vinte idiomas, que ganhou, em 2006, o Prémio Internacional de Direitos Humanos da organização não-governamental norte-americana Global Exchange.

Marianna Souza, produtora no Teatro Lusotaque e autora da peça, refere que esta foi a forma mais ilustrativa que se encontrou para mostrar uma realidade crítica. "Nós queremos mostrar a situação, que é muito dolorosa, contra a cultura brasileira, principalmente contra as pessoas. [Pretendemos mostrar] quem são as pessoas que mais sofrem no Brasil", afirma.

O teatro musical mistura drama, comédia e romance e traz sons clássicos da bossa nova e também do funk, originário das favelas.

Esse acervo cultural brasileiro é apresentado em língua portuguesa maioritariamente por estudantes da Universidade de Colónia.

Lusotaque Theater Präsentation Os Ninguens

"Os Ninguéns" estreou em Colónia, no oeste da Alemanha, e vai percorrer outras cidades

"O único erro é morar na favela"

A estreia da peça foi em janeiro no Studiobühne Köln. E o desempenho dos jovens atores impressionou a audiência multicultural presente. Para o espetador português Sebastião Iken, o elenco "interpretou bem uma realidade brasileira, retratando personagens sociais como personagens de palco. Retratando em abstrato uma realidade brasileira, não apontando para pessoas concretas".

A cubana Jane Duret ficou comovida com a morte de inocentes nas favelas retratada n'"Os Ninguéns: "O único erro é morar na favela, mas acabam mortos por causa de um governo e uma segurança pública que não se importam com eles", lamentou a espetadora.

Depois de Colónia, a peça segue para a cidade alemã de Bona e, depois, para a cidade de Metz, em França.

A prática artística do grupo teatral Lusotaque está diretamente ligada à formação linguística e académica do Instituto Luso-Brasileiro, instituição académica na Universidade de Colónia, fundada em 1932 pelo romancista Leo Spitzer.

O Lusotaque existe há 14 anos e tem-se ocupado em representar críticas sociais de países de língua oficial portuguesa. Em abril do ano passado, no Studiobühne Köln, o grupo apresentou a "Kianda - da Santa que se tornou sereia", peça adaptada do romance "O outro pé de sereia" do autor moçambicano Mia Couto. Enredos de Pepetela e outros autores lusófonos já foram explorados nos anos anteriores.

Leia mais