Nyusi pede proatividade do sistema de justiça face ao crime organizado | NOTÍCIAS | DW | 01.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Nyusi pede proatividade do sistema de justiça face ao crime organizado

Presidente exige empenho no combate ao terrorismo, tráfico e raptos em capitais provinciais. Filipe Nyusi diz que criminalidade obriga operadores da justiça a um exercício intelectual acrescido na aplicação do direito.

O Presidente Filipe Nyusi aproveitou a cerimónia de tomada de posse da nova juíza conselheira do Tribunal Supremo, Felicidade Sandra, para fazer um apelo ao sistema Judiciário moçambicano. Para o chefe do Executivo, Moçambique precisa de "um Judiciário cada vez mais empenhado no combate sem tréguas à criminalidade organizada - como tráfico, raptos, terrorismo, entre outros crimes".

No evento realizado na Presidência moçambicana, em Maputo, nesta quarta-feira (30.06), Nyusi disse que os raptos nas principais capitais provinciais, o terrorismo em Cabo Delgado e o tráfico de drogas e humano desafiam o sistema de justiça a apresentar novos modelos de atuação, baseado numa estratégia "proativa" na defesa das garantias constitucionais e diretos fundamentais.

"Exercício intelectual acrescido"

"Esta realidade obriga os operadores da justiça a um exercício intelectual acrescido, aquando da aplicação do direito", declarou Filipe Nyusi. O Presidente moçambicano entende que o setor de justiça deve "explorar ao máximo" as revisões legislativas que o país tem observado nos últimos anos, garantindo a sua adequação às realidades e aos desafios atuais.

Segundo organizações humanitárias, jihadistas causaram a morte de 2.800 pessoas e provocaram 732 mil deslocados em Cabo Delgado desde 2017. O país é apontado por várias organizações internacionais como um corredor para o tráfico internacional de estupefacientes. Moçambique também enfrenta uma onda de raptos em algumas das capitais provinciais, com 16 casos e processos-crime registados só em 2020.

Assistir ao vídeo 00:39

Trailer de "Resgate"

Leia mais