Nyusi lança candidatura de Moçambique ao Conselho de Segurança da ONU | Moçambique | DW | 17.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Nyusi lança candidatura de Moçambique ao Conselho de Segurança da ONU

O Presidente moçambicano diz que o país tem apoio unânime da SADC e União Africana à candidatura de membro não-permanente e a simpatia de países da CPLP. Filipe Nyusi sublinha compromisso "total e inabalável" com a paz.

Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, faz discurso em Maputo

Filipe Nyusi: "O nosso compromisso com a paz é total e inabalável"

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, lançou oficialmente esta quinta-feira (16.09) a candidatura do país a membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas no mandato 2023/24, com a paz como prioridade.

"O nosso compromisso com a paz é total e inabalável", referiu numa cerimónia em Maputo perante o corpo diplomático acreditado no país, sociedade civil e outras organizações.

O chefe de Estado assinalou que, "vezes sem conta, o país emprestou as suas valências, seja em representação do Estado, seja individualmente por moçambicanos para mitigar conflitos ou encontrar soluções negociadas" para situações de divergência.

"O nosso compromisso com a agenda de paz no quadro do Conselho de Segurança é tudo quanto nos motiva, porque sabemos quão nefasta é a ausência de paz e quão benéfica é a harmonia", destacou.

O Conselho de Segurança da ONU é composto por 15 membros, cinco permanentes e 10 não-permanentes eleitos por mandatos de dois anos e em que cinco são substituídos a cada ano. Na eleição, há um número fixo de assentos para os diferentes grupos regionais em que a Assembleia Geral da ONU se divide.

Conselho de Segurança da ONU

Sala de conferências do Conselho de Segurança da ONU, em Nova York

"Apoio unânime"

A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) endossou a candidatura moçambicana, anunciou há um ano a ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Verónica Macamo, quando começou a abordar o tema com representações diplomáticas.

Nyusi realçou que a candidatura goza de apoio unânime dos 15 membros da SADC e dos 54 estados-membros da União Africana (UA), além de manifestações de simpatia e encorajamento por parte de nações de outros continentes, nomeadamente no seio da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

"Contudo, consideramos que mais trabalhos se afiguram necessários para alargar e consolidar o círculo de apoio e reunir o maior consenso possível à volta do nosso país, conhecido no mundo como amante da paz e da liberdade dos povos", sublinhou o chefe de Estado.

As eleições vão decorrer em 2022 e o mandato de dois anos arranca a 1 de Janeiro de 2023, terminando a 31 de dezembro de 2024.

Assistir ao vídeo 02:21

Moçambique: "Ataques terroristas não têm nada a ver com Islão"

Leia mais