Nyusi garante construção da paz com nova liderança da RENAMO | Moçambique | DW | 09.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Nyusi garante construção da paz com nova liderança da RENAMO

Chefe de Estado moçambicano garantiu no elogio fúnebre a Afonso Dhlakama que a "construção da paz" vai continuar com a nova liderança da RENAMO.

Mais de seis mil pessoas estiveram esta quarta-feira (09.05) na cidade da Beira para dizer adeus ao líder da RENAMO Afonso Dhlakama que faleceu na passada quinta-feira (03.05). As cerimónias fúnebres decorreram no largo da estação dos Caminhos de Ferro de Moçambique, que foi pequena para receber os residentes e os políticos, diplomatas e figuras públicas.

O corpo do líder histórico da RENAMO foi velado por quatro militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique.

No local, foram vários os discursos que destacaram a dedicação de Afonso Dhlakama na luta pela democracia. 

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, sublinhou que Dhlakama é uma figura que fica para a histórica do país e garantiu que tudo fará para que as conversações de paz que começou com Dhlakama continuem agora com a nova liderança do maior partido da oposição.

"A partida prematura do nosso compatriota não deve constituir um revés neste processo de diálogo. Estaremos honrando a sua memória se soubermos concluir um responsável e célere diálogo político que agora se encontra sobretudo centrado no processo de descentralização, do desarmamento, da desmobilização e da reintegração ".

"Não se acobardem, sejam Dhlakama"

Ivone Soares, líder da bancada parlamentar da RENAMO e sobrinha de Dhlakama, voltou a lançar um apelo aos moçambicanos, sobretudo aos jovens, para seguirem os passos do tio.

"Ele partiu mas ficamos nós os seus continuadores, o seu sonho de um pais livre e democrático onde moçambicanos verdadeiramente iguais tem oportunidades e direitos. Compatriotas de hoje em diante exorto-vos: não se acobardem, sejam Dhlakama".

Por seu turno, Maria Chiara Turrini, representante em Moçambique da Comunidade de Sant'Egidio, que mediou o Acordo Geral de Paz de 1992, apontou que o país perdeu uma grande figura, que lutou lado a lado com o povo para o "futuro brilhante" da nação.

"Acho que o povo moçambicano quer a paz com certeza. O Presidente da República e o presidente Dhlakama começaram um diálogo e parece que todos estão se expressando no sentido de continuar este diálogo". "O Presidente [Nyusi] foi muito claro e parece-me que também do lado da RENAMO há esta vontade de continuar com o diálogo, que de facto tinha dado muita esperança. Parecia que tinha dado passos em frente para encontrar uma solução para os problemas da descentralização", sublinhou Turrini.

Momento de reconciliaçãoO embaixador da Suíça em Moçambique, Mirko Manzoni, presidente do grupo de contacto para a paz no país, considera que Moçambique atravessa um "momento da reconciliação".

"As palavras do Presidente Nyusi foram muito claras: é momento da reconciliação. Não podemos construir divisões, temos de construir o futuro de Moçambique e o futuro de Moçambique é paz", referiu.

O grupo de contacto, que liderado por Manzoni, tem participado no diálogo entre o Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, e Dhlakama.

Ouvir o áudio 03:45

Nyusi garante construção da paz com nova liderança da RENAMO

"Quanto aos próximos passos, vamos trabalhar agora", disse. "Creio que foi claro: o presidente da RENAMO gostava de uma solução rápida. É possível, creio que vai ser possível", referiu, numa altura em que faltam cinco meses para as eleições autárquicas.

Nyusi e Dhlakama já tinham expressado o desejo de ver aprovadas alterações à Constituição, no âmbito do acordo de descentralização administrativa que assinaram, para vigorar a tempo da votação.

Manzoni diz guardar "memórias intensas" do líder da oposição moçambicana.

"O líder da RENAMO era um homem aberto ao diálogo e por essa razão temos esperança que uma solução pode ser alcançada em curto prazo", concluiu. 

Afonso Dhlakama vai ser sepultado esta quinta-feira na sua terra natal, Mangunde, a cerca de 300 quilómetros da Beira.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados