Novo Presidente de Angola aposta na agricultura | Angola | DW | 11.10.2017

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Novo Presidente de Angola aposta na agricultura

Presidente angolano João Lourenço deslocou-se esta quarta-feira (11.10) ao Huambo, no cumprimento da sua promessa eleitoral de fomentar a agricultura do país. Lourenço quer uma Angola auto-suficiente no setor alimentar.

Uma das prioridades destacadas por João Lourenço é a distribuição de material de produção às populações, para garantir um aumento da produção por parte dos pequenos agricultores: "Vamos trabalhar no sentido de que nos próximos anos, este abastecimento, com insumos seja feita atempadamente,” disse o Presidente numa alocução no município do Cachiungo.

Nesta sua primeira deslocação oficial desde que assumiu a chefia do Estado em 26 de setembro passado, João Lourenço, não apenas pediu aos angolanos que regressem aos campos. Apelou também para a cooperação da indústria fazer um esforço para atrair investidores de modo a que: invistam na produção dos bens que hoje têm que ser importados.

Prioridade para a diversificação

Angola Lebensmittel in Luanda

Angola importa uma parte importante do seus alimentos

O Presidente garantiu que o governo vai manter aaposta na agricultura como alternativa ao setor petrolífero no processo de diversificação da economia nacional, apesar de dificuldades como escassez de sementes, adubo e instrumentos de trabalho.

Ouvido pela DW África, José Severino, presidente da associação industrial de angola AIA, mostrou-se otimista quanto à viabilidade das promessas presidenciais: "A presença do Presidente da República vai ajudar o setor porque ele é um homem que conhece a agricultura. Ele quer a diversificação, quer combater a pobreza. Esperamos que o próximo Orçamento Geral do Estado, reforce os recursos para a agricultura”.

Falta de aposta na investigação

Ouvir o áudio 02:43

Novo Presidente de Angola aposta na agricultura

Opinião contrária tem o jovem engenheiro agrónomo Gaspar Rampa, para quem a falta de uma aposta clara na investigação agronómica é um dos fatores que contribuem para os fracos resultados agrícolas no país: "Ignora-se muito o setor da investigação embora seja prioritário para o estudo daquilo que deve ser feito antes e depois de uma determinada produção. Isto não se nota no país”, disse à DW África.

Angola dispõe de 35 milhões de hectares de terras aráveis e uma superfície cultivada de cinco milhões de hectares, além de uma faixa irrigável de sete milhões de hectares, metade dos quais ainda de exploração tradicional.

 

Leia mais