Novo Parlamento alemão tem mais deputados de origem migratória | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 01.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Novo Parlamento alemão tem mais deputados de origem migratória

O Parlamento alemão está mais diverso, com 83 integrantes com passado migratório. Saiba o que isto significa para o Bundestag na perspetiva de um deputado que nasceu nos Camarões e migrou para a Alemanha aos 12 anos.

Deutschland BTW 2021 Armand Zorn SPD

Armand Zorn, deputado recém-eleito para o Bundestag

Quando Armand Zorn entrou pela primeira vez na câmara plenária do Bundestag [o Parlamento da Alemanha] diz sido tomado por um sentimento de humildade. "Esta é uma responsabilidade especial que tenho agora, e tenho consciência disso".

Há poucos dias, o político natural dos Camarões, que veio para a Alemanha quando tinha 12 anos, sabe que é um novo membro eleito do Bundestag pelo Partido Social-Democrata (SPD, na sigla em alemão).

Zorn é um dos 735 deputados eleitos nas eleições legislativas do último domingo. O Bundestag tornou-se mais diverso com as escolhas dos eleitores alemães no último pleito.

"Ontem tivemos a primeira reunião do grupo parlamentar", diz Zorn à DW. "Já notava-se uma diversidade incrível. Diversidade em termos de origem, mas também em termos de género, biografias e profissões. Isso foi muito agradável de ver".

Uma investigação do "Mediendienst Integration" sobre deputados com passado migratório mostrou que pelo menos 83 dos deputados recém-eleitos têm o chamado background migratório. Eles próprios ou pelo menos um dos seus pais não tem a cidadania alemã por nascimento.

"Vemos uma evolução positiva em termos de diversidade no Bundestag", diz Deniz Nergiz, diretora executiva do Conselho Federal de Imigração e Integração. "Mas o que é ainda mais positivo é que há mais diversidade no seio deste grupo. Por exemplo, vemos que agora há mais políticos afro-alemães e também mais políticos de origem turca".

A Esquerda é a mais diversa

De facto, provavelmente pelo menos 11% dos deputados têm agora um passado de migração. Em comparação com os 8% do Bundestag anterior, a proporção aumentou.

De acordo com a investigação do "Mediendienst Integration", o partido "Die Linke" [A Esquerda] tem a maior percentagem de deputados com antecedentes migratórios: 28,2%. O grupo parlamentar conservador da aliança União Democrata-Cristã (CDU)- União Social-Cristã (CSU) é um dos menos diverso com 4,6% dos seus deputados.

Assistir ao vídeo 02:53

Eleições Alemanha: Quem irá governar em conjunto?

O SPD de Armand Zorn está em segundo lugar nesta lista: 17% dos seus colegas parlamentares também têm um passado migratório. Zorn não se surpreende com isto. "Acredito que exista um zeitgeist – um sinal dos tempos. Todas as partes têm de se abrir. Ainda não estamos onde precisamos estar, mas penso que as partes já compreenderam isso".

Nergiz, que escreveu a sua tese de doutoramento sobre políticos com origem imigrante, pode confirmar isto: "Os partidos criaram mais espaço para as pessoas que têm origem imigrante. E os partidos não só os apresentaram como candidatos diretos desta vez, como também lhes deram lugares mais promissores nas suas listas, o que, naturalmente, facilitou a entrada".

Não foi este o caso nas décadas anteriores, disse ele. Em vez disso, os candidatos com um passado migratório acabavam muitas vezes no fundo das listas, com poucas hipóteses de entrar no Bundestag. Isso mudou.

Mais oportunidades e reconhecimento

Armand Zorn teve uma longa e árdua campanha eleitoral. Viajou muito no seu círculo eleitoral e fez muitas campanhas porta-a-porta. Na sua cidade, Frankfurt am Main, ganhou um mandato direto contra um candidato da CDU. Um candidato do Partido Verde também chamou a atenção por ter uma história semelhante a de Zorn.

"É um bom sinal para Frankfurt e também para a Alemanha. Omid Nouripour veio do Irão para a Alemanha quando tinha 13 anos, eu vim dos Camarões quando tinha 12 anos", diz Zorn: "O facto de ambos ganharmos o mandato directo em 2021 deixa-nos, penso eu, muito orgulhosos, mas também humildes. Mostra que a nossa sociedade é diversificada, e não importa de onde se vem, mas para onde se vai".

Zorn revela que as reações à sua campanha e aos seus resultados nas legislativas foram positivas. "Aminha cor de pele não era o foco. Não se tratava do facto de eu ser de pele escura, de ser negro, mas sim da minha personalidade. Tratava-se da minha competência no domínio da digitalização, da política económica e financeira. Perguntaram-me muito mais sobre o que pretendo implementar".

Assistir ao vídeo 03:53

Karamba Diaby: Único deputado africano na Alemanha tenta reeleição

Ao mesmo tempo, são precisamente estes deputados que contribuem para o facto de certos temas relativos à migração poderem ser tratados de forma diferente no Bundestag e serem mais ouvidos. Os parlamentares "provavelmente falariam sobre as condições num centro de asilo de uma forma completamente diferente com um membro do parlamento que talvez tenha crescido num centro destes", diz Nergiz.

Uma nova geração

Aos 33 anos, Zorn é um dos deputados mais jovens do Bundestag. Isto não é invulgar para os recém-eleitos com uma história migratória. "Se olharmos para as listas de eleitos com antecedentes migratórios, notamos que há também muitos jovens que também já tiveram carreiras notáveis", diz Nergiz.

De facto, há uma série de jovens deputados com um passado migratório. Uma delas é Sanae Abdi, uma jovem de 34 anos de Colónia, filiada ao SPD há 12 anos e dirigente do comité executivo de uma associação local.

"Esta geração já tem muito mais vantagens do que a primeira ou segunda geração de migrantes", diz o cientista social Nergiz: "Eles são na sua maioria socializados no sistema educativo alemão, encontram outras redes. Estão a surgir redes interpartidárias que podem apoiar as suas carreiras".

Armand Zorn encontrou apoio na iniciativa "Brand New Bundestag" - um grupo de ativistas da sociedade civil que apoiou financeira e logisticamente 11 candidatos na campanha eleitoral. Três dos 11 apoiados chegaram de facto ao Parlamento.

Obstáculos permanentes

Apesar dos desenvolvimentos positivos, no entanto, ainda existem muitos obstáculos para as pessoas com passado migratório na Alemanha. Nergiz recorda o caso de Tareq Alaow, que retirou a sua candidatura devido a um ataque racista coordenado.

"Isto é vivido por muitas pessoas com antecedentes migratórios, retirarem-se por causa disto é justificado. Infelizmente, os partidos não têm até agora qualquer resposta a isto, para que o racismo não se torne um obstáculo ao envolvimento político".

Nergiz considera que ainda é necessário esperar para saber se a tendência positiva continuará no novo Bundestag e se as questões de participação, partilha e representação se refletirão efetivamente em termos concretos. 

O cientista social considera que uma sinalização positiva seria a participação desses parlamentares em negociações políticas de partidos ou sua investidura em cargos relevantes na estrutura do Parlamento – como a presidência do Bundestag.

Assistir ao vídeo 02:42

Aminata Touré: Uma das vozes mais fortes do partido alemão Os Verdes

Leia mais