Novo líder do MpD traz lufada de ar fresco ao partido | MEDIATECA | DW | 15.07.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Novo líder do MpD traz lufada de ar fresco ao partido

Ulisses Correia e Silva é o novo presidente do Movimento para a Democracia (MpD). Correia e Silva assumiu a liderança do partido da oposição com um discurso de inovação e com os olhos postos nas legislativas de 2016.

Ouvir o áudio 03:29

Com 51 anos, natural da Cidade da Praia, José Ulisses de Pina Correia e Silva formou-se em Economia pelo Instituto Superior de Economia da Universidade Técnica de Lisboa, tendo já sido ministro das Finanças do último Governo do MpD, partido de que foi também líder parlamentar e seu vice-presidente.

O atual presidente da Câmara Municipal da Praia é um homem "metódico", diz o amigo e antigo primeiro-ministro Gualberto do Rosário, que enquanto ministro da Coordenação Económica trabalhou durante muitos anos com Ulisses Correia e Silva.

"É um quadro do partido bem formado, com grandes qualidades humanas, muito metódico em termos de organização do trabalho e com uma boa capacidade de diálogo", comenta. O político elogia ainda a serenidade de Correia e Silva e o facto de ser um homem "com uma visão".

Homem de "fibra"

Foi essa mesma visão que levou Carlos Veiga, seu antecessor, a considerar Ulisses Correia e Silva o homem certo para presidir o MpD neste momento.

"Estou absolutamente convicto de que o MpD está em boas mãos", disse Veiga. "O seu percurso político e as qualidades pessoais de liderança, capacidade de trabalho, honestidade e probidade fazem dele um líder de líderes".

Patrice Trovoada, antigo primeiro-ministro são-tomense e presidente da ADI de São Tomé e Príncipe, louva ainda a "fibra" de Correia e Silva: "O Dr. Ulisses Correia e Silva é feito dessa mesma fibra dos grandes políticos."

Linhas de liderança

Este fim de semana, durante a 10ª Convenção Nacional do MpD, Correia e Silva prometeu fazer uma oposição forte ao atual Governo, chefiado há 13 anos por José Maria Neves. O novo presidente do MpD prometeu também "um partido muito bem organizado, em contacto e em sintonia com a sociedade."

Correia e Silva assegurou ainda: "Cabo Verde em primeiro lugar. Cabo Verde em segundo lugar. Cabo Verde em terceiro lugar. Esta é a razão da nossa existência."

Mudanças no partido

Ulisses Correia e Silva apresenta uma equipa rejuvenescida, relegando, de certa forma, para um papel de segundo plano a velha guarda do partido.

Tem como vice-presidentes o atual líder parlamentar, Fernando Elísio Freire, a deputada e jurista, Janine Lélis, o administrador da Universidade Jean Piaget de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, e o antigo Governador do Banco Central, Olavo Correia.

Uma das novidades que Correia e Silva impôs é que, doravante, nenhum membro da cúpula do partido ou da Comissão Política pode ser nomeado para o Conselho de Administração dos institutos ou empresas públicas.

"Inovamos com a introdução de um conjunto de incompatibilidades", disse o novo líder do MpD. O objetivo é credibilizar a classe política cabo-verdiana: "Temos a responsabilidade de credibilizar a classe política. A credibilização faz-se com verdade, debates, competição, compromissos, com uma relação responsável dos políticos com os cidadãos."

Diálogo "em pé de igualdade"

Olhando já para as eleições legislativas de 2016, Ulisses Correia e Silva prometeu que, se o MpD for Governo, vai colocar o país na lista dos 10 pequenos Estados insulares melhor classificados no Índice de Desenvolvimento Humano.

"Nós precisamos de termos de comparação que motivem o país a desenvolver-se mais", disse. "Não queremos ser os melhores entre aqueles que estão em dificuldade. Queremos ser os melhores entre aqueles que são dinâmicos, que se desenvolvem e que servem de motivação para nós também nos desenvolvermos."

Ulisses Correia e Silva estendeu a mão ao Governo para concertações e disse que o MpD está disponível para se sentar à mesa e discutir compromissos. O líder do partido da oposição impõe, no entanto, uma condição: que o diálogo seja feito "em pé de igualdade".

Ulisses Correia e Silva é o sexto presidente do MpD, que, além de Carlos Veiga, também já foi dirigido por Gualberto do Rosário, Filomena Delgado, Agostinho Lopes e Jorge Santos.