Novo ataque terá provocado mais mortes no norte de Moçambique | Moçambique | DW | 05.06.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Novo ataque terá provocado mais mortes no norte de Moçambique

Um ataque de um grupo armado à localidade de Naunde, distrito de Macomia, na província Cabo Delgado, no norte de Moçambique, terá provocado a morte de pelo menos seis pessoas na madrugada desta terça-feira (05.06).

Mocímboa da Praia registou primeiros ataques em outubro de 2017

Mocímboa da Praia registou primeiros ataques em outubro de 2017

A informação é de residentes da aldeida de Naunde, que afirmaram à agência de notícias Lusa que, além das vítimas fatais, a ação do grupo também resultou na destruição de várias casas.

A maioria das pessoas conseguiu fugir, mas pelo menos duas morreram queimadas, referiu um dos residentes na região. Outras quatro morreram ao serem atacadas com catanas, já durante a fuga. Segundo as mesmas fontes, foram ainda incendiadas várias barracas de comércio e dois carros de transporte coletivo.

Há ainda relatos de que vários medicamentos terão sido roubados de um centro de saúde que foi também vandalizado. A aldeia é um local sem eletricidade e sem outras infraestruturas, onde as habitações são feitas de materiais tradicionais como blocos de adobe.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) referiu à agência Lusa que está a fazer o levantamento da situação em Naunde e remeteu mais informação para uma conferência de imprensa a realizar esta tarde.

Mosambik Autos in einer Straße in Pemba

Pemba, capital da província de Cabo Delgado

Ataques

O ataque relatado pelos residentes é mais a povoações remotas do meio rural da província de Cabo Delgado, depois de noutras incursões, há uma semana, 10 habitantes terem sido decapitados.  Desde outubro de 2017, a província tem sido alvo dos grupos armados, causando um número indeterminado de mortes e deslocados.

Um estudo divulgado em maio, em Maputo, aponta a existência de redes de comércio ilegal na região e a movimentação de grupos radicais islâmicos, oriundos de países a norte, como algumas das raízes da violência.

Diversos investimentos estão a avançar na província para exploração de gás natural dentro de cinco a seis anos, no mar e em terra, com o envolvimento de algumas das grandes petrolíferas mundiais.

Apoio congolês

Entretanto, o comandante-geral da Polícia moçambicana, Bernardino Rafael, anunciou que a República Democrática do Congo (RDC) vai apoiar Moçambique a combater grupos armados que têm atacado civis em distritos de Cabo Delgado.

Os comandantes-gerais da polícia dos dois países estiveram reunidos em Luanda, capital angolana, para apresentar o ponto de situação em relação às ações de grupos armados nos dois territórios, segundo Bernardino Rafael, citado hoje pelo diário Notícias.

O responsável falava à margem de uma reunião de chefe de polícia da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) que decorre na capital angolana.  "Moçambique está há oito meses com este problema e a RDC há dois anos. Uma segunda reunião está agendada para breve, de modo a alinharmos posições para melhor combater estes malfeitores", referiu Bernardino Rafael. 

Leia mais