Novo ataque no centro de Moçambique | Moçambique | DW | 02.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Novo ataque no centro de Moçambique

Homens armados atacaram um autocarro de passageiros na província de Manica, depois um outro ataque na sexta-feira. Populares alertam que os distúrbios estão a atrasar o desenvolvimento de Moçambique e apelam à paz.

Estrada Nacional 1 (foto de arquivo)

Estrada Nacional 1 (foto de arquivo)

Por enquanto, há poucos detalhes sobre o novo ataque na Estada Nacional 1. Testemunhas contaram à agência de notícias Lusa que houve dois feridos ligeiros. A polícia confirma apenas que um autocarro de passageiros foi atacado esta segunda-feira de manhã (02.12).

Na sexta-feira passada, a região de Muda Serração, no distrito de Gondola, foi palco de um outro ataque, que fez seis feridos. Segundo a Polícia da República de Moçambique (PRM) em Manica, o ataque de sexta-feira foi da autoria de homens armados do maior partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

"Homens armados da RENAMO, atacaram cerca das 5 horas da sexta-feira, uma viatura que fazia o sentido Muda Serração a Inchope.  As vítimas foram socorridas de imediato ao hospital provincial e um cidadão encontra-se ainda a receber cuidados médicos", afirmou esta segunda-feira Mateus Mindú, porta-voz da PRM em Manica.

Ouvir o áudio 02:38

Novo ataque no centro de Moçambique

Entretanto, terão sido reforçadas as patrulhas na estrada: "As Forças de Defesa e Segurança encontram-se ao longo da EN1 com vista a identificar, neutralizar e, posteriormente, responsabilizar criminalmente os autores destes ataques", acrescentou Mindú.

A DW África tentou ouvir a delegação da RENAMO na província de Manica, sem sucesso.

Populares apelam à paz

10 pessoas morreram em ataques no centro de Moçambique desde agosto. A RENAMO tem acusado um grupo de dissidentes do partido, a chamada "Junta de Militar", de realizar os ataques. Mas o grupo só reivindicou alguns deles.

Os dissidentes estão contra o líder da RENAMO, Ossufo Momade, e pedem para renegociar o Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, assinado em agosto entre o Governo e a RENAMO.

Entretanto, a população volta a apelar ao fim da violência. Florinda João Muteto, uma empresária da cidade de Chimoio, diz que os distúrbios estão a atrasar o desenvolvimento de Moçambique. "Matar um camponês e indivíduos que estão de viagem à procura do seu pão e depois esconde-se no mato, será que faz sentido? E, fazendo isso, o que poderá resolver?"

Em entrevista à DW África, o académico Fernando Rafael também apelou à paz: "Os líderes devem ser chamados à consciência sobre o valor da paz. A paz não tem preço […] podem-se encontrar outras alternativas para o diálogo, sem necessariamente se recorrer à guerra. Também é precioso que a imprensa crie estas plataformas para uma democracia de respeito mútuo."

Assistir ao vídeo 01:38

Estradas do medo em Moçambique

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados