Nova era na África do Sul após demissão de Zuma | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 16.02.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Nova era na África do Sul após demissão de Zuma

Depois da demissão do Presidente sul-africano, Jacob Zuma, os desafios para o partido no poder são muitos. O novo chefe de Estado, Cyril Ramaphosa, tem a tarefa de reconquistar a confiança de muitos eleitores.

Da esquerda para a direita, Jacob Zuma, Winnie Madikizela-Mandela e Cyril Ramaphosa

Da esquerda para a direita, Jacob Zuma, Winnie Madikizela-Mandela e Cyril Ramaphosa

A demissão de Jacob Zuma demorou. O ex-Presidente da África do Sul só se retirou quando ficou claro que não sobreviveria a uma nova moção de censura. Assim que o fez, abriu caminho a uma nova era, aguardada por muitos sul-africanos.

Makhosi Khoza, ex-dirigente do Congresso Nacional Africano (ANC), era uma das pessoas que reivindicava há anos a substituição de Jacob Zuma. Saiu do partido no poder devido a esse posicionamento, criando o seu próprio movimento político. "Precisamos urgentemente de uma recuperação da economia", afirma Khoza. "Foram nove anos de trauma, com um escândalo atrás do outro; não sabíamos onde tudo iria acabar", acrescenta.

Assistir ao vídeo 01:20

África do Sul: Aumenta pressão para Zuma sair da Presidência

ANC em queda livre

A Presidência de Zuma esteve envolvida em escândalos desde o primeiro minuto - até antes de assumir o cargo, Jacob Zuma já fora acusado de corrupção no âmbito de contratos de armas no final dos anos 1990. O Presidente foi ainda alvo de alegacões de favorecimento de empresários da família Gupta, seus aliados. Mas o ANC nunca o conseguiu afastar do cargo.

Isso deveu-se à boa rede de conhecimentos de Jacob Zuma, explica o jornalista sul-africano Philip de Wet, algo que também terá influenciado a transição. "O objetivo principal do líder do ANC, Cyril Ramaphosa, é evitar que o partido se divida. Para isso, Zuma tinha mesmo de ser substituído. Ramaphosa tentou fazê-lo, não pondo em causa a reputação de Zuma. Os problemas, no entanto, agudizaram-se, e Cyril Ramaphosa poderá vir a enfrentar uma derrota do ANC nas próximas eleições gerais", comenta de Wet em entrevista à DW.

Descontentamento generalizado

Ouvir o áudio 03:23

Nova era na África do Sul

O ANC é o partido mais influente da África do Sul. Foi fundado em 1912 com o propósito de conquistar o direito de voto para a maioria negra. Mais tarde, o partido liderou a resistência contra o regime segregacionista do apartheid. Em 1994, o ANC venceu as primeiras eleições pós-apartheid e iniciou uma nova fase na história do país, sob a liderança de Nelson Mandela.

Mas a euforia esmoreceu e deu lugar a um descontentamento generalizado. Uma grande parte dos sul-africanos negros é de opinião que as suas condições de vida não melhoraram e que ainda existem demasiadas injustiças e discriminações. "Muitos dizem que o próprio Nelson Mandela devia ter feito mais pela estabilidade económica do país", afirma o jornalista de Wet. "Em vez de retirar o poder económico às elites brancas, diz-se que ele teria contribuído para a situação que vivemos hoje na África do Sul. A falta de oportunidades, a pobreza: tudo isso se verifica hoje."

O antigo Presidente sul-africano, Jacob Zuma, prometeu transformar radicalmente o sistema económico - chegou mesmo a falar numa "revolução económica" - mas assustou, com este discurso, potenciais investidores estrangeiros. Zuma nunca chegou a transformar o sistema - terá tentado aproveitar-se dele pessoalmente, nota de Wet.

Wahlkampf aus Südafrika von Julius Malema

Julius Malema, líder dos EFF na campanha eleitoral de 2014

Nova era, caras conhecidas

Nos últimos anos, o ANC tem perdido cada vez mais militantes, cansados da corrupção crescente no país e da falta de renovação partidária. Tal como Julius Malema, dirigente da juventude do ANC até 2012, muitos jovens sul-africanos viraram as costas ao partido. Malema lidera agora os Combatentes pela Liberdade Económica (EFF, na sigla em inglês), o terceiro partido mais votado nas eleições legislativas de 2014.

Agora, a nova era África do Sul começa com Cyril Ramaphosa na Presidência. Os desafios são enormes, mas muitos sul-africanos estão confiantes: "Ramaphosa vai ser bom para o nosso país, para a economia, para cada um de nós, negros e brancos", afirmou Sipho Ngwanye, um jovem de 23 anos. "É um recomeço, vamos começar uma nova vida."