Nigéria: Autoridades localizam 17 dos 333 alunos raptados pelo Boko Haram | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 16.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Nigéria: Autoridades localizam 17 dos 333 alunos raptados pelo Boko Haram

Pelo menos 333 adolescentes foram dados como desaparecidos no ataque a uma escola secundária no noroeste da Nigéria na madrugada do último sábado (12.12). O chefe do grupo extremista Boko Haram reivindicou o rapto.

As autoridades da Nigéria encontraram 17 dos 333 alunos desaparecidos após o ataque reivindicado pelo grupo jihadista Boko Haram a uma escola de educação no estado de Katsina, no noroeste do país.

"Na noite de segunda-feira as informações que tenho mostram que 17 das crianças desaparecidas foram encontradas", disse o governador de Katsina, Aminu Masari, à DW, repercutido nesta quarta-feira pela imprensa local.

"A maioria dos estudantes (sequestrados) está na floresta Zamfara (estado que faz fronteira com Katsina). Os esforços estão a ser feitos para resgatá-los", garantiu o governador.

O grupo jihadista Boko Haram assumiu esta terça-feira (15.12) a responsabilidade pelo sequestro de mais de 300 alunos da Escola Secundária de Ciências do Governo localizada na cidade de Kankara.

Membros da Equipa de Resposta de Inteligência da Polícia Nigeriana chegaram ontem a Katsina para reforçar os esforços no resgate aos estudantes.

Em reação ao ataque à escola Kankara, o Sindicato dos Professores da Nigéria ameaçou uma greve nacional por falta de segurança para seus profissionais e alunos. 

O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, condenou o ataque e ordenou o reforço da segurança em todas as escolas. No estado de Katsina, os estabelecimentos escolares foram fechados.

Também organizações internacionais, como a UNICEF, Save the Children e as Nações Unidas já condenaram veemente o sucedido e apelaram à libertação dos estudantes.

Assistir ao vídeo 02:56

Nigéria: Como reintegrar ex-insurgentes do Boko Haram?

Leia mais