Na Europa, Ossufo Momade busca apoio para contestar resultados das eleições moçambicanas | Moçambique | DW | 07.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Na Europa, Ossufo Momade busca apoio para contestar resultados das eleições moçambicanas

Líder da RENAMO pediu à comunidade internacional que impeça a "ditadura monopartidária" em Moçambique. Ossufo Momade terminou uma visita à Holanda, este sábado (07.12), a apontar o dedo ao Governo da FRELIMO.

Mosambik Wahlkampf Ossufo Momade, Vorsitzender von RENAMO (DW/M. Mueia)

Ossufo Momade

De acordo com os resultados preliminares das eleições moçambicanas de 15 de outubro, a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) ganhou com maioria qualificada no parlamento e o atual Presidente, Filipe Nyusi, foi reeleito, resultados que a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) não reconhece, assegurando ter provas de fraude. 

Caso o Conselho Constitucional confirme os resultados, o maior partido da oposição moçambicana irá reunir "os órgãos do partido: a comissão política nacional e o conselho nacional", porque a decisão de tomar posse dos lugares eleitos não pode resultar de "um posicionamento apenas do presidente", disse Momade à agência Lusa, numa entrevista por telefone.

Em dezembro, "os órgãos vão reunir e vão decidir qual vai ser a decisão do partido", explicou o líder da RENAMO, que terminou hoje uma visita à Holanda.

 Mosambik Wahl Manica (DW/B. Jequete)

Moçambicanos foram às urnas a 15 de outubro

Provas de fraude na mala

Na viagem, Ossufo Momade levou uma caixa com "boletins que estão fora do circuito da Comissão Nacional Eleitoral (CNE)" e que estão pré-preenchidos com uma cruz nos candidatos da FRELIMO. 

"Desta vez, nós trazemos elementos que provam fraude eleitoral", disse Momade, considerando que os observadores internacionais "não podem ficar calados" perante "evidências tão claras". 

"Em Moçambique, está instalado um regime que não quer abandonar o poder e, para não sair do poder, usa a polícia" contra a oposição, afirmou, acrescentando: "É uma coligação: polícia, a CNE, o STAE [Secretariado Técnico de Administração Eleitoral] para manietar a RENAMO".

Na Holanda, Ossumo Momade reuniu-se com parceiros internacionais do seu partido, entre os quais o Instituto Holandês para a Democracia Multipartidária.

"Nós temos confiança na comunidade internacional na medida em que não gostaríamos que voltássemos aos erros do passado", em que o país viveu uma situação de guerra civil, disse à Lusa.

"A democracia está tremida" em Moçambique, afirmou o líder do maior partido da oposição no país.

"Não gostaríamos de voltar para o monopartidarismo", mas vive-se "uma situação muito alarmante, na medida em que as eleições não foram justas livres e transparentes", acrescentou.

Fahrzeug in Zentral-Mosambik angegriffen (DW/Bernardo Jequete)

Ataques são cada vez mais frequentes, no centro e norte do país

Ataques no centro do país

Ossufo Momade classificou de "desertor" Mariano Nhongo, líder da autoproclamada Junta militar da RENAMO, e acusou-o de estar a promover ataques a civis no centro do país.

"Nós nos distanciámos logo da Junta Militar", afirmou.

O líder da RENAMO aponta o dedo à Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) ao acusar o Governo de ter permitido o crescimento deste grupo dissidente armado no centro do país. 

"O Estado não tomou precauções no início porque queria prejudicar politicamente a RENAMO", acentuando a divisão, e hoje está a deparar-se com vários ataques nas vias do centro do país, considerou Momade.

O dirigente da RENAMO afirmou que quem apontar responsabilidades ao seu partido nesses ataques "está errado": "Nunca violámos as regras do nosso antigo e saudoso presidente [Afonso] Dhlakama [líder histórico da RENAMO]."

Assistir ao vídeo 01:21

Ossufo Momade faz primeiro comício após derrota eleitoral da RENAMO

Mais falhas do Governo

Ossufo Momade acusou ainda o Governo de Moçambique de ter falhado ao contratar mercenários russos para liquidar insurgentes islâmicos no norte do país, ignorando o real problema das populações. 

"O Governo de Moçambique foi à Rússia e trouxe de lá mercenários", mas "esses que fizeram a intervenção militar hoje já não estão lá" porque "viram que alguma coisa está errada", não conseguindo resolver os problemas, que "têm razões profundas" e mostram as divisões sociais e económicas daquela região, afirmou Ossufo Momade. 

"O envolvimento dos estrangeiros está a diluir aquilo que é o pensamento dos moçambicanos" sobre os conflitos sociais e religiosos que estão na origem dos ataques a alvos civis ou ligados ao setor petrolífero, que está a fazer fortes investimentos na província de Cabo Delgado, considerou.

O dirigente da RENAMO disse também que "a primeira coisa" que "queria que o Governo fizesse era apresentar o caso do conflito de Cabo Delgado na Assembleia da República", promovendo a discussão sobre o melhor modo de resolver os problemas, "mas ainda não fez". 

Estima-se que haja centenas de mortos vítimas dos ataques e, para lidar com esses problemas, a "União Europeia tinha um outro pensamento", que previa investimentos sociais e económicos junto das comunidades para obter "um bom resultado em Cabo Delgado", destacou Momade. 

"Nós não concordamos com uma intervenção militar", acrescentou Momade.

"Cada dia que passa, moçambicanos morrem, as suas residências são destruídas, mas ninguém sabe o que se está a passar em Cabo Delgado" e "esta situação está a alastrar-se para outros distritos", concluiu.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados