Níger: Ataque do Boko Haram deixa 27 mortos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 13.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Níger: Ataque do Boko Haram deixa 27 mortos

O massacre de "selvageria sem precedentes", segundo as autoridades locais, ocorreu na véspera das eleições regionais e locais deste domingo. Mais de mil casas foram destruídas no sudeste do país.

Bandeira do grupo extremista Boko Haram

Ataque no Níger foi atribuído ao grupo jihadista Boko Haram

Um ataque atribuído ao grupo extremista Boko Haram deixou pelo menos 27 mortos no Níger. Este domingo (13.12), as autoridades locais disseram que o massacre no sudeste do país foi de uma "selvageria sem precedentes".

Assistir ao vídeo 02:56

Nigéria: Como reintegrar ex-insurgentes do Boko Haram?

Outras pessoas ficaram feridas e outras desapareceram no ataque ocorrido na noite de sábado (12.12) na vila de Toumour, na região de Diffa. O massacre ocorreu horas antes das eleições municipais e regionais realizadas em todo o país este domingo.

"Algumas vítimas foram mortas ou feridas por balas; outras foram queimadas dentro de suas casas, consumidas pelas chamas de um enorme incêndio provocado pelos agressores", disse uma autoridade local citada pela agência de notícias francesa AFP.

Cerca de mil casas, o mercado central e vários veículos foram destruídos no ataque, que durou três horas. Aproximadamente 70 atacantes chegaram a Toumour a pé, depois de atravessar a nado o Lago Chade.

"Eles primeiro atacaram a residência do chefe tradicional, que mal conseguiu escapar", referiu a mesma fonte. "Foi um ataque de selvageria sem precedentes", disse uma outra autoridade local eleita que pediu para não ser identificada. "Quase 60% da vila foi destruída."

As eleições regionais e locais no Níger ocorreram duas semanas antes das eleições presidenciais marcadas para 27 de dezembro. O Presidente Mahamadou Issoufou não vai concorrer, pois já cumpriu dois mandatos.

Assistir ao vídeo 02:56

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados