Muhammadu Buhari reeleito Presidente da Nigéria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 27.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Muhammadu Buhari reeleito Presidente da Nigéria

Muhammadu Buhari foi reeleito para um segundo mandato como Presidente da Nigéria. Segundo a comissão eleitoral, Buhari conseguiu cerca de 55% dos votos. Mas principal partido da oposição contesta os resultados.

Muhammadu Buhari obteve mais de 15,1 milhões de votos (cerca de 55%) contra 11,2 milhões (41% dos votos) do rival Atiku Abubakar, nas eleições de sábado (23.02).

"Tendo cumprido os requisitos da lei e obtido o maior número de votos, Muhammadu Buhari do Congresso dos Progressistas [APC] é o vencedor destas eleições, voltando a ser eleito Presidente", anunciou esta madrugada Mahmood Yakubu, presidente da Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI).

Após a divulgação dos resultados oficiais, Buhari afirmou que esta é "uma nova vitória para democracia".

Na rede social Twitter, postou uma fotografia em que está de braços no ar, mostrando quatro dedos em cada mão: o número total de anos para que foi eleito.

"A nova administração vai intensificar os seus esforços no setor da segurança, na reestruturação da economia e no combate à corrupção", prometeu Muhammadu Buhari perante uma plateia de simpatizantes na sede do APC, em Abuja.

"Gostaria de fazer um apelo especial aos meus apoiantes, para não se gabarem ou humilharem a oposição. A vitória é recompensa suficiente para os nossos reforços", acrescentou o Presidente reeleito.

O partido no poder, o APC, venceu em 19 dos 36 estados do país, segundo a comissão eleitoral. Mas o partido do principal candidato da oposição, Atiku Abubakar, contesta os resultados.

Nigeria, ehemaliger Vizepräsident Atiku Abubakar

Principal rival de Buhari, Atiku Abubakar

Oposição pondera ação judicial

A poucas horas do anúncio dos resultados oficiais do escrutínio, o Partido Democrático do Povo (PDP) rejeitou os números que até ali haviam sido divulgados pela CENI.

Alegando fraude eleitoral, exigiu mesmo a suspensão da contagem de votos e novas eleições em quatro estados do país: Yobe, Zamfara, Nasarawa e Borno.

"À medida que os resultados começaram a ser divulgados no domingo, colocando claramente o PDP na liderança, o partido no poder e o Presidente Buhari enviaram para as diferentes regiões do país altos funcionários para influenciarem os resultados", afirmou Uche Secondus, porta-voz do PDP. "Entendemos, por isso, que os números agora anunciados pela Comissão Eleitoral estão incorretos, o que é inaceitável para o nosso partido e para o povo."

Até agora, Atiku Abubakar ainda não se pronunciou publicamente sobre os resultados. Mas Osita Chidoka, um representante do PDP, adiantou esta quarta-feira (27.02) aos jornalistas que o partido está a ponderar contestar os resultados em tribunal.

Ouvir o áudio 03:42

Muhammadu Buhari reeleito Presidente da Nigéria

Violência e atrasos

As eleições gerais de sábado na Nigéria deviam ter-se realizado uma semana antes, mas foram adiadas pela comissão eleitoral em cima da hora devido a problemas logísticos.

Alguns observadores alertaram, na altura, para as implicações que o adiamento poderia ter na afluência às urnas. E, na verdade, a participação nestas eleições - 35,6% - foi menor do que a registada nas presidenciais de 2015, em que 44% dos eleitores registados foram votar.

A CENI fez um balanço positivo do escrutínio deste ano. No entanto, vários grupos da sociedade civil lamentaram o elevado número de mortos registados durante as eleições. Segundo os dados mais recentes, 53 nigerianos perderam a vida em episódios de violência.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados