Moussa Faki Mahamat reeleito presidente da Comissão da União Africana | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 06.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Moussa Faki Mahamat reeleito presidente da Comissão da União Africana

Antigo primeiro-ministro do Chade foi reeleito presidente da Comissão da União Africana, este sábado, renovando o mandato por mais quatro anos.

Kongo Moussa Faki Mahamat Vorsitzenden der Kommission der Afrikanischen Union

Moussa Faki Mahamat

A eleição realizou-se no primeiro de dois dias da cimeira anual da União Africana (UA), realizada por videoconferência, e foi anunciada pela porta-voz do antigo primeiro-ministro do Chade, Ebba Kalondo.

"Cinquenta e um dos 55 Estados-membros votaram a favor de um segundo mandato de Moussa Faki como presidente da Comissão da UA", escreveu a porta-voz no Twitter.

O antigo primeiro-ministro chadiano, Moussa Faki Mahamat era o único candidato à sua própria sucessão à frente do órgão executivo da União Africana e precisava de pelo menos dois terços dos votos para ser eleito.

Foco na pandemia

A cimeira da UA acontece quase exatamente um ano depois de o Egipto ter registado o primeiro caso de coronavírus em África, suscitando o receio generalizado de que os fracos sistemas de saúde dos estados-membros fossem rapidamente sobrecarregados.

Mas apesar das previsões iniciais, o continente tem sido atingido com menos força do que outras regiões até agora, registando 3,5% dos casos de coronavírus e 4% das mortes por Covid-19 em todo o mundo, de acordo com os Centro Africano de Controlo e Prevenção de Doenças.

No entanto, muitos países africanos estão a lutar contra as segundas ondas de infeções, ao mesmo tempo que se esforçam para obter doses da vacina.

Os líderes africanos têm-se manifestado contra o açambarcamento de vacinas pelos países ricos, à custa dos mais pobres.

Em seu discurso este sábado, o Presidente sul-africano Cyril Ramaphosa apelou a "uma nova injeção de recursos" do Fundo Monetário Internacional para "corrigir a gritante desigualdade nas medidas de estímulo fiscal entre as economias avançadas e o resto do mundo".

Assistir ao vídeo 03:23

Quénia: Profissionais de saúde esperam e desesperam por vacina contra a Covid-19

Leia mais