Mortalidade Infantil ainda causa danos nos PALOP | Moçambique | DW | 13.09.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Mortalidade Infantil ainda causa danos nos PALOP

PALOP estão entre os 30 piores em mortalidade infantil. Segundo relatório da UNICEF lançado nesta quarta-feira (12.09), a Guiné-Bissau e Angola têm as piores taxas, enquanto Cabo Verde e Moçambique registam melhorias.

Criança africana

Criança africana

Apesar da redução geral no número de mortes de crianças antes dos 5 anos de idade, a África Subsaariana continua com os piores índices de mortalidade infantil no mundo. E os países de língua portuguesa, com exceção de Cabo Verde, aparecem na lista do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) com as 30 piores taxas de 2011.

De acordo com o relatório da UNICEF intitulado "Compromisso com a Sobrevivência Infantil: Uma promessa Renovada", a Guiné-Bissau é o sétimo país mais mal classificado. De cada mil nados vivos, 161 morrem antes de completar 5 anos, 24% menos que em 1990, ano inicial de análise da UNICEF.

Angola reduz, mas persiste o drama

Em seguida, Angola demonstra o oitavo pior índice com 158 mortes por mil nascidos, embora tenha conseguido reduzir a taxa de mortalidade em 35% no mesmo período. Para o chefe de programa de desenvolvimento da criança da UNICEF em Angola, Brandão Co, já é possível comemorar os avanços.

Ele explica que a maioria das doenças, como o paludismo, diarreias, e doenças respiratórias, pode ser tratada nesse nível periférico, uma vez que existem postos de saúde. Brandão Co defende que o país tem trabalhado em duas frentes para enfrentar o problema: "Tem de se tornal acessível o tratamento e aumentar a cobertura. Refiro-me ao serviço de imunização, através da vitamica C, redes mosquiteiras impregndas."

O HIV-SIDA é um dos principais responsáveis pela mortalidade infantil em Moçambique

O HIV-SIDA é um dos principais responsáveis pela mortalidade infantil em Moçambique

Bons resultados para Moçambique

Entre os países com piores índices, Moçambique foi um dos que mais conseguiram diminuir a mortalidade infantil entre 1990 e 2011, com uma redução de 54%. Ocupando vigésimo segundo lugar no ranking, o país registrou 103 mortes para cada mil nados vivos no ano passado. São Tomé e Príncipe aparece em vigésimo oitavo lugar, com 89 mortes para cada mil nascimentos. Por outro lado, o país teve uma baixa variação desde 1990, reduzindo a mortalidade infantil em somente 8%.

Emanuele Capobianco, chefe de saúde e nutrição da criança na UNICEF em Moçambique prevê momentos bons para o país: "Há novas iniciativas que vão trazer um impacto enorme. No próximo ano Moçambique vai introduzir a nova vacina contra o agente causador da pneumonia, e assim tem potencial para salvar muitas vidas."

Cabo Verde, por sua vez, registrou vinte e uma mortes para cada mil nascimentos em 2011. Na lista de 195 países avaliados pela UNICEF, ocupa o lugar de número 91. Além disso, o arquipélago conseguiu uma das maiores reduções no período, de 63%.

Timor Leste, o grande exemplo no mundo

Entre os outros países de língua portuguesa, Timor Leste recuou 70% e alcançou a posição de número 51, com 54 mortes registradas. No Brasil, entre mil nascidos vivos, 16 morreram antes dos 5 anos – número 73% menor que em 1990. Já Portugal tem o nono melhor índice, com apenas três mortes para cada mil nascidos e uma redução de 78%.

O relatório deste organismo também aponta que 40% das mortes infantis ocorrem no primeiro mês de vida. Entre as crianças que sobrevivem a esse período, as principais causas são doenças infeciosas como pneumonia, diarreia e malária.

As dificuldades financeiras de muitos países africanos dificultam o combate às doenças que mais matam

As dificuldades financeiras de muitos países africanos dificultam o combate às doenças que mais matam

As doenças infeciosas ainda são as principais causas de morte

Ainda segundo Brandão Co, da UNICEF em Angola, é preciso conscientizar as famílias para prevenir as doenças: "Elas tem de saber sobre a amamentação, como usar as redes mosquiteiras, como tratar da água para o consumo. Portanto este nível comunitário também é importante, através da educação, para aumentar a competência ao nível das famílias."

A causa do elevado índice de mortalidade em criancas até os cinco anos de idade são principalmente as doenças infeciosas, como por exemplo, diarreias, malária e HIV-SIDA, com 64%. Já em recém-nascidos as complicações durante o parto são a principal causa da morte, com 40%.

Em um total, de acordo com a UNICEF, a mortalidade de menores de 5 anos caiu de 12 milhões em 1990 para 6,9 milhões em 2011. Mesmo assim, a organização alerta que 19 mil crianças ainda morrem diariamente no mundo.

Autora: Patrícia Alvares
Edição: Nádia Issufo / António Rocha

Ouvir o áudio 04:07

Mortalidade Infantil ainda causa danos nos PALOP

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados