Morreu Ambrósio Lukoki, histórico militante do MPLA | Angola | DW | 01.10.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Morreu Ambrósio Lukoki, histórico militante do MPLA

Histórico militante do MPLA e embaixador de Angola na Tanzânia, Ambrósio Lukoki, faleceu em Luanda.

O histórico militante do MPLA Ambrósio Lukoki morreu esta segunda-feira (01.10), vitima de doença prolongada, noticiaram vários fontes em Angola.

Lukoki, que foi também Embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola na Republica Unida da Tanzânia há muito que se encontrava doente.

Ambrósio Lukoki é natural da província do Uíge e serviu como Ministro da Educação na década de 1970 antes da sua nomeação como Ministro da Informação e Cultura, além de ter sido Secretário do Bureu Político do MPLA para Informação e Propaganda.

Lukoki manteve sempre uma postura crítica face à governação de José Eduardo dos Santos. Nos últimos anos da presidência de José Eduardo dos Santos, Lukoki notabilizou-se como um dos seus mais ferozes críticos.

"Temos que acabar com José Eduardismo"

Recorde-se, que no ano passado Ambrósio Lukoki defendeu (21.11) numa uma conferência de imprensa, em Luanda, a saída de José Eduardo dos Santos da então liderança do MPLA. 

Na altura Lukoki afirmou que "a verdade é que, como partido MPLA [Movimento Popular de Libertação de Angola], temos que acabar com o "José Eduardismo" para sempre". 

O antigo embaixador de Angola na Tanzânia disse ainda na altura que, durante os quase 40 anos de governação, José Eduardo dos Santos só soube fazer mal ao povo e cometeu atos de corrupção e de nepotismo.

"O "José Eduardismo" é o tal reinado com absolutismo de quase 40 anos", prosseguiu o histórico membro do partido no poder desde a independência de Angola, em 1975.

Angola vive uma profunda crise financeira e cambial desde 2014 causada pela quebra nas receitas com a exportação de petróleo, situação que obrigou as autoridades a lançarem várias medidas de austeridade e de limitação no acesso a divisas nos bancos.

Ambrósio Lukoki acusou o então presidente do MPLA de não ter conseguido resolver o problema durante a presidência do país. "José Eduardo prometeu que em seis meses íamos ultrapassar a crise, porque era só um choque. Esse choque que estamos a viver até hoje", criticou na altura o histórico militante.

Em 2016, o político Ambrósio Lukoki solicitou a retirada do seu nome da lista candidata ao Comité Central no congresso ordinário do MPLA.

Leia mais