MONUSCO pede paciência com novo Governo da RDC | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 21.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

MONUSCO pede paciência com novo Governo da RDC

Leila Zerrougui, chefe da Missão das Nações Unidas na RDCongo (MONUSCO), afirma que é preciso dar tempo a Felix Tshisekedi, recém-eleito Presidente da RDC.

DR Kongo Kinshasa Vereidigung Präsident Felix Tshisekedi (picture-alliance/AP Photo/J. Delay)

Felix Tshisekedi

"É preciso dar tempo ao novo Presidente da República Democrática do Congo (RDC), Felix Tshisekedi". A frase é da representante especial do secretário-geral da ONU no país. Em entrevista à DW, quase um mês após a tomada de posse do novo chefe de Estado congolês, Leila Zerrougui mostra-se satisfeita com o desenrolar do processo eleitoral:

“Grosso modo, consideramos que não houve violência grave. À medida que as eleições foram decorrendo, ficou claro que os congoleses queriam uma mudança e foi isso, também, que fez com que não houvesse uma reação violenta, porque era algo que não se esperava".

DR Kongo Leila Zerrougi, Chefin der UN-Mission MONUSCO

Leila Zerrougi

Ainda assim, a sombra do ex-Presidente Joseph Kabila – que esteve 18 anos no poder -  continua a pairar sobre a Presidência de Felix Tshisekedi. A "Frente Comum pelo Congo" (FCC), coligação de Kabila, venceu a maioria na Assembleia Nacional, alimentando as suspeitas da oposição derrotada, que acusa Tshisekedi de ter feito um acordo com Kabila para manter a influência do antigo Presidente sobre Ministérios importantes e forças de segurança. Fato é que, um mês depois da tomada de posse, o novo chefe de Estado ainda não nomeou um primeiro-ministro para formar Governo e continua a trabalhar com a equipa apontada por Kabila.

Primeiro encontro Kabila - Tshisekedi

Entretanto, na passada quarta-feira (21.02), o ex-Presidente reuniu a “família política” do FCC, para assinar um acordo com vista a tornar a coligação eleitoral numa “plataforma política de governo”. No domingo (17.02.), Joseph Kabila e Felix Tshisekedi reuniram-se pela primeira vez desde a tomada de posse do novo Presidente e, segundo a agência de notícias "France Presse", abordaram a questão da “criação de uma coligação política” com vista à formação do Governo que permitirá gerir o país de forma “conjunta”.

Será que os últimos desenvolvimentos poderão afetar o processo democrático na RDC? A líder da missão da ONU, Leila Zerrougui, antevê que será preciso esperar para ver:

Ouvir o áudio 03:25

MONUSCO pede paciência com novo Governo da RDC

“Acho que temos de dar tempo a Tshisekedi. Ele ainda não formou o Governo. Há muitos partidos na RDC. A Frente Comum pelo Congo [coligação de Joseph Kabila] tem 67 partidos, há muitas formações políticas, muitas coligações, muitas coisas. Vamos ver como é que a paisagem política se constrói nos próximos meses para termos uma ideia.”

MONUSCO não intervém na política

E o que diz a MONUSCO sobre a colaboração Tshisekedi-FCC? A líder da missão deixa claro que o papel da missão de paz não é de intervenção política:

“Cabe à MONUSCO opor-se? Deve a comunidade internacional presente na RDC ditar aos congoleses – que estão calmos, neste momento - o que devem fazer? A missão chama-se MONUSCO e o “S” é de estabilização. O nosso papel é ajudar os congoleses rumo à estabilização e se eles estiverem de acordo, se não houver violações, se as pessoas não são detidas, punidas, sancionadas…se é um processo que avança, não podemos fazer mais nada a não ser apoiá-lo!"

Entretanto, no primeiro encontro com diplomatas estrangeiros, desde a tomada de posse na semana passada, o Presidente congolês sublinhou que, a RDC quer trabalhar com as Nações Unidas para criar um plano de retirada da MONUSCO – presente no país há 20 anos.

Até lá, Felix Tshisekedi frisa que, as suas tropas “devem ser reduzidas, melhor armadas e preparadas” para combater os inúmeros grupos rebeldes e milícias que controlam vastas áreas da RDC.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados