Moçambique vai candidatar-se a membro do Conselho de Segurança da ONU | Moçambique | DW | 10.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique vai candidatar-se a membro do Conselho de Segurança da ONU

Moçambique pede apoio dos países "amigos" para a candidatura ao Conselho de Segurança da ONU, cujas eleições vão decorrer em 2022. O país vai se candidatar a membro não-permanente do orgão, afirma a chefe da diplomacia.

A ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação moçambicana, Verónica Macamo, pediu na sexta-feira (09.10) apoio aos países de África e Médio Oriente com representação diplomática no país para a candidatura de Moçambique a membro não-permanente do Conselho de Segurança da ONU. 

"A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) endossou a nossa candidatura: Moçambique vai se candidatar a membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para o mandato 2023/2024, cujas eleições vão decorrer em 2022", explicou.

"Assim como os vossos países sempre poderão contar com o nosso apoio, estamos confiantes de que mereceremos o vosso apoio e confiança sem reservas", acrescentou.

O pedido da chefe da diplomacia moçambicana foi expresso numa reunião com representantes das missões diplomáticas de África e médio Oriente acreditadas em Moçambique destinado a passar em revista o programa do Governo.

O Conselho de Segurança da ONU é composto por 15 membros, cinco permanentes e 10 não-permanentes eleitos por mandatos de dois anos e em que cinco são substituídos a cada ano. Na eleição há um número fixo de assentos para os diferentes grupos regionais em que a Assembleia Geral da ONU se divide.

Situação em Cabo Delgado

UN-Sicherheitsrat New York 2016 | Waffenembargo Libyen

Moçambique pede apoio para candidatura ao Conselho de Segurança da ONU em 2022

Na reunião, em Maputo, a governante aproveitou o encontro para reforçar o pedido de cooperação para acabar com os ataques armados em Cabo Delgado, província do norte do país.

"Estamos a falar de terrorismo, um fenómeno que, embora localizado no nosso país, tem origens e inspiração externa e por isso, a sua eliminação requer esforços coletivos", referiu.

Assim, apelou à provisão de ajuda humanitário para as populações deslocadas, cooperação bilateral no seio de organizações internacionais nas áreas de defesa e segurança e apoio à instalação de um centro de operações humanitárias e de emergência da SADC em Nacala, província de Nampula.

A província costeira mais a norte de Moçambique, que faz fronteira com a Tanzânia, enfrenta uma crise humanitária com mais de mil mortos e 250.000 a 300.000 deslocados internos após três anos de conflito armado entre as forças moçambicanas e rebeldes, cujos ataques já foram reivindicados pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico, mas cuja origem continua por esclarecer.

A região deverá acolher nos próximos anos investimentos da ordem dos 50 mil milhões de dólares em gás natural, liderados pelas petrolíferas norte-americana Exxon Mobil e francesa Total (que já tem obras no terreno).

 

Assistir ao vídeo 03:06

Nova vaga de refugiados no centro de Moçambique

Leia mais