Moçambique tenta ″ganhar tempo″ na luta contra a Covid-19 | Moçambique | DW | 30.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique tenta "ganhar tempo" na luta contra a Covid-19

"Ganhar tempo" é a prioridade na luta contra a covid-19 em Moçambique. Diretor-geral adjunto do Instituto Nacional de Saúde sugere que se atrase o pico da doença até janeiro ou fevereiro de 2021, por exemplo.

Gesundheitsministerium Mosambiks (DW/J. Beck)

Minstério da Saúde quer ganhar tempo

"Atrasando o pico para janeiro ou fevereiro [de 2021], o Serviço Nacional de Saúde ganha tempo para mobilização de recursos, fortalecimento do sistema, entender melhor a epidemia e para que apareça um medicamento" ou "uma vacina", detalhou Eduardo Samo Gudo no domingo (29.03).

O diretor-geral adjunto do Instituto Nacional de Saúde (INS) falava durante a conferência de imprensa diária das autoridades de saúde moçambicanas sobre a pandemia da doença respiratória, numa altura em que o país regista oficialmente oito casos, sem mortes e sem casos novos detetados nas últimas 24 horas.

"O que nós queremos é reduzir, quebrar a cadeia de transmissão, de maneira a que seja muito baixa, com vista a evitar que haja um número grande de indivíduos a padecer da doença num curto espaço de tempo", sublinhou, destacando a importância das medidas de prevenção, nomeadamente ao nível da higiene pessoal e distanciamento social.

Ou seja, imaginando um gráfico do número de infetados, "em vez de acontecer um pico com centenas de milhares de casos, haver muito menos e atrasar" esse momento, explicou.

Coronavirus in China Forschung zu Impfung Symbolbild (picture-alliance/dpa/Hao Yuan)

Pesquisas por uma vacina ocorrem pelo mundo

"Em vez de ocorrer em junho - sem nenhuma medida, pensa-se que ocorreria na maior parte dos países africanos nessa altura -, a ideia é afastar [o pico] de modo a que seja mais plano e ocorra, por exemplo, em janeiro ou fevereiro" do próximo ano e, assim, evitar um "afluxo grande ao sistema nacional de saúde", prosseguiu.

À espera de uma vacina e medicamentos

Ganhar tempo é importante, referiu Gudo, mesmo do ponto de vista da disponibilização de medicamentos candidatos a ter sucesso no tratamento. 

Prevê-se que em abril haja resultados preliminares de testes a determinadas substâncias, mas "a produção em grande escala" de um medicamento pode levar vários meses e o mesmo pode acontecer com uma vacina, observou.

Segundo Samo Gudo, Moçambique já eliminou o pior cenário possível de propagação - aquele em que não haveria medidas de prevenção - ao implementar restrições antes de ter sido conhecido o primeiro caso oficial.

As medidas impostas incluíram o fecho das escolas, sendo que a "população estudantil equivale a 25%" dos 30 milhões de habitantes de Moçambique, sublinhou, além da suspensão dos vistos de entrada no país e o desaconselhamento de aglomerações de mais de 50 pessoas.

Maputo Mosambik (picture-alliance / maxppp)

País tem medidas adotadas contra o coronavírus

Mais restrições e medidas de prevenção?

A implementação de restrições e a projeção dos respetivos impactos estão a ser feitas com o acompanhamento de especialistas internacionais, disse Gudo.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, deixou sexta-feira (27.03) uma porta aberta para impor mais medidas de prevenção, depois de o Conselho de Estado, órgão consultivo, ter sugerido que seja declarado estado de emergência face à ameaça de rápida propagação da covid-19.

"Nós estamos a fazer o roteiro de um filme, mas os atores somos cada um de nós, cada moçambicano é um ator para mitigar o impacto do novo coronavírus em Moçambique", concluiu Samo Gudo.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000 e pelo menos 134.700 são consideradas curadas. Em África, o número de mortes subiu para 134 e há mais de 4.300 casos em 46 países.

Leia mais