Moçambique só paga as dívidas ocultas ″se quiser″, diz arguido | Moçambique | DW | 12.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique só paga as dívidas ocultas "se quiser", diz arguido

Ex-gestor das empresas que beneficiaram das dívidas ocultas, António Carlos do Rosário, diz que não há provas de que o Estado esteja a pagar as dívidas de 2,2 mil milhões de dólares contraídas para a proteção costeira.

Réu António Carlos do Rosário continuou a ser ouvido em tribunal

Réu António Carlos do Rosário continuou a ser ouvido em tribunal

O arguido António Carlos do Rosário disse, esta terça-feira (12.10), em tribunal que não há provas de que o Estado moçambicano esteja a pagar as "dívidas ocultas".

Segundo o antigo diretor das empresas MAM, Ematum e ProIndicus, se o Estado está a pagar as dívidas é porque quer.

"O que a garantia faz é dizer 'nós conhecemos este assunto' e, se não houver pagamento por questões de força maior, só força maior - e foi o que aconteceu-, é aí que o Estado vai ter que entrar. Mesmo assim, o Estado não vai entrar se não quiser, porque há sempre mecanismos de diálogo", argumentou durante a audição.

Garantia 'para restaurar dívida'

O Ministério Público (MP) perguntou, no entanto, ao réu porque é que houve uma discrepância no valor da dívida da ProIndicus, que vencia em 2015, de 90 milhões de dólares, em relação à garantia solicitada ao Estado, de 278 milhões de dólares. "Ou seja, 188 milhões de dólares a mais. O que se pretendia fazer com os 188 milhões de dólares a mais?", questionou o MP. 

O arguido justificou que o valor se deveu a "questões operativas, questões operacionais".

Mosambik | António Carlos do Rosário

Segundo o antigo diretor das empresas MAM, Ematum e ProIndicus, se o Estado está a pagar as dívidas é porque quer

Mas o MP desconfia que o réu, na qualidade de PCA das três empresas que endividaram Moçambique em 2,2 mil milhões de dólares, tenha solicitado a garantia de 278 milhões de dólares para restaurar a dívida anteriormente assumida.

António Carlos do Rosário, que foi também diretor da Inteligência Económica dos serviços secretos, respondeu: "Não estava a contrair outra dívida; garantia não é dívida. Garantia é simplesmente um papel que nos permite ir ao credor e dizer: 'devíamos pagar, como está aqui, 278 milhões, mas a parte que caberia [...] é dar algum conforto aos bancos'."

"Não temos dinheiro hoje, mas temos uma carta conforto, que é a garantia", resumiu.

O Ministério Público não ficou convencido com a explicação porque, como entendeu a procuradora Ana Sheila Marrengula, a garantia transforma-se automaticamente numa dívida para o fiador, quando o devedor não paga.

Mosambik Maputo Gerichtsverfahren wegen versteckter Schulden

Juiz da causa, Efigénio Baptista, quis perceber qual a legitimidade dos contratos para a implementação do SIMP

"Tanto mais que o Estado moçambicano está endividado por conta do não cumprimento das obrigações assumidas pelas três empresas. Portanto, a garantia é sim uma dívida em potência que o Estado moçambicano estava a assumir", sublinhou Marrengula.

Legitimidade dos contratos

Ainda em relação às dívidas das três empresas, o juiz da causa, Efigénio Baptista, quis perceber a legitimidade dos contratos para a implementação do Sistema Integrado de Monitoria e Proteção (SIMP), algo que seria da "competência do Governo" mas que teria sido feito sem o seu aval direto.

O réu respondeu prontamente: "O Governo, o Conselho de Ministros na altura, delegou poderes a três ministros: ministro da Defesa Nacional, do Interior e o ministro das Finanças, para os três, em representação do Governo, celebrarem um contrato de concessão do SIMP com a ProIndicus."

Aliás, segundo o arguido António Carlos do Rosário, a ideia de criar a empresa Ematum foi do então ministro da Defesa, Filipe Nyusi, o atual chefe de Estado moçambicano, para ajudar na proteção da Zona Económica Exclusiva.

Assistir ao vídeo 01:34

Veja imagens da audição de Ndambi Guebuza

Leia mais