Moçambique: Reorganização das escolas vai custar 44 milhões de euros | Moçambique | DW | 08.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Reorganização das escolas vai custar 44 milhões de euros

Valor será destinado para a reabilitação da infraestrutura das escolas em Moçambique. Regresso às aulas será faseado, a partir de 27 de julho, face aos riscos impostos pela Covid-19.

"Este valor vai ser destinado para a reabilitação e reposição de sistemas de abastecimento de água e saneamento nas escolas, internatos e centros de formação", disse o ministro das Obras Publicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, após uma sessão do Conselho de Ministros, esta terça-feira (07.07), em Maputo.

As reabilitações serão feitas num prazo de três meses e visam garantir um regresso seguro dos alunos às escolas face à propagação da Covid-19 no país, segundo o governante.

"Este trabalho consistirá, por um lado, em fazer a reabilitação das infraestruturas que se mostram num estado obsoleto e, por outro lado, para aquelas instituições que não tinham, vamos colocar estes sistemas", explicou.

Assistir ao vídeo 02:53

Moçambique: Os muitos problemas da crise de Covid-19

Estado de emergência

As escolas moçambicanas, que estão encerradas desde 1 de abril no âmbito do estado de emergência decretado pelo chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, vão ser reabertas faseadamente a partir de 27 de julho, com prioridade para as classes com exames, começando pela 12.ª classe, no secundário.

No ensino público, Moçambique conta com um total de 13.337 escolas primárias e 677 escolas secundárias, segundo dados oficiais.

Na última semana, o Presidente moçambicano anunciou a prorrogação do estado de emergência pela terceira vez - o máximo previsto na Constituição - com levantamento faseado de algumas restrições.

Além da reabertura faseada das escolas, voltará a haver ligações aéreas internacionais com alguns países, será permitido mais pessoas nos locais de trabalho e os museus poderão reabrir.

Desde o anúncio do primeiro caso em Moçambique, em 22 de março, o país registou um total de 1.040 casos positivos, oito óbitos e 280 pessoas recuperadas, segundo as últimas atualizações do Ministério da Saúde.

Leia mais