Moçambique: RENAMO garante que ″nada vai impedir desarmamento até agosto″ | Moçambique | DW | 15.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: RENAMO garante que "nada vai impedir desarmamento até agosto"

O secretário-geral da RENAMO garantiu que nada vai impedir o desarmamento e a reintegração do braço armado do partido até agosto, em Moçambique. E que as ameaças ao líder Ossufo Momade foram feitas por "desertores".

Homens armados da RENAMO (Foto de arquivo/2012)

Homens armados da RENAMO (Foto de arquivo/2012)

O secretário-geral da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), André Madjibiri, garantiu na tarde deste sábado (15.06), na Beira, que "não há nenhum impedimento quanto ao desarmamento e reintegração dos homens armados do partido".

Segundo Madjibiri, que falava durante um comício na capital provincial de Sofala, a RENAMO segue "animada com o ritmo" das negociações com o Governo para efetivar o acordo de paz.

André Madjibiri disse ainda que os homens armados vistos há dias nos meios de comunicação social ameaçando o líder do partido Ossufo Momade são desertores.  E afirmou categoricamente que não aceitarão ser desarmados enquanto Momade continuar na liderança do partido.

Mosambik Beira | André Madjibiri, Generalsekretär RENAMO-Partei

André Madjibiri discursando durante comício na Beira

Apelo ao Governo

O secretário-geral do maior partido da oposição de Moçambique lançou um apelo às autoridades, pedindo às Forças de Defesa e Segurança estatais para ajudarem na neutralização e responsabilização dos indivíduos responsáveis pelas ameaças ao líder da RENAMO.

Segundo André Madjibiri, estes indivíduos estão foragidos e "constituem um perigo". "Estamos num momento da trégua e eles estão a circular com armas, portanto é preciso que haja medidas fortes de segurança, de modo a neutralizar aqueles senhores. São um perigo às comunidades", alerta o secretário-geral, acrescentando que "nós acordamos com o Governo as tréguas, portanto o Governo tem a sua responsabilidade".

André Madjibiri avançou que brevemente começam as conferências distritais e provinciais que vão culminar com a indicação dos cabeças-de-lista para governadores provinciais.

Leia mais