Moçambique: Religiosos pedem análise profunda às causas do conflito em Cabo Delgado | Moçambique | DW | 04.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Religiosos pedem análise profunda às causas do conflito em Cabo Delgado

Congregações oraram pelo fim da instabilidade em Cabo Delgado nas comemorações do dia do Acordo Geral de Paz. Religiosos sugerem análise profunda para encontrar soluções duradouras e compreender as causas do conflito.

Os crentes de diferentes religiões exteriorizaram através de orações e cânticos, esta segunda-feira (04.10), em dia de comemoração do Acordo Geral de Paz, a sua profunda preocupação com o conflito armado que se vive nas zonas norte e centro da província de Cabo Delgado há cerca de quatro anos.

"Ficamos magoados pela violência que aflige a zona norte de Cabo Delgado, pela tragédia que vivem centenas de deslocados e pelo número enorme de pessoas obrigadas a deixarem as suas casas e tudo o que possuíam, e viajar e pé ou de barco para encontrar refúgio longe do ruído das armas", referiu Anita Buanayaque da comunidade Sant’Egídio, em Pemba.

Mosambik Straßenschild am Abzweig in den Ort Quissenge

Ataques armados em Cabo Delgado começaram em 2017 em Mocímboa da Praia

Os religiosos aproveitaram a ocasião para pedir atenção e vigilância aos crentes de modo a não permitirem que determinados grupos pratiquem crueldades em nome das religiões.

"As religiões podem ter um papel importante para alcançar a paz e lutar contra os conflitos levados em frente em nome de Deus", frisou a religiosa.

Procurar as causas

Em entrevista à DW África, o líder religioso Latifo Fonseca encorajou as autoridades moçambicanas a prosseguirem as suas ações com vista ao fim do terrorismo e estabelecimento da paz em Cabo Delgado.

"Tem de haver trabalho de base para compreender quais são as causas e dar soluções. Resolvermos os problemas que levaram ao surgimento desse terrorismo. Temos que resolver as fragilidades: educação para todos, emprego para todos. Diminuir as desigualdades e todos os fatores que contribuem para os terroristas aproveitarem-se [para implantar-se]", frisou o responsável.

Latifo Fonseca apelou também às populações locais para não ficarem distraídas e que se mantenham vigilantes contra quaisquer ações de desestabilização.

Nyusi convida terroristas a entregarem-se

Esta segunda-feira em Maputo, durante um discurso à nação por ocasião, o Presidente da República, Filipe Nyusi, fez um apelo aos responsáveis pelos ataques armados no país.

"Preocupam-nos os nossos compatriotas, aqueles que voluntariamente aderiram a essa força destruidora, mas outros foram recrutados inocentemente que estão a correr de um lado para outro", disse o chefe de Estado.

Filipe Nyusi fez saber que o desmantelamento das bases Mbau, Siri 1, Siri 2, entre outras, deixou o inimigo em permanente fuga e sem possibilidade de escapatória.

Mosambik Pemba | Filipe Nyusi

Filipe Nyusi, Presidente da República de Moçambique

"Queríamos convidar para que eles, sozinhos, não esperem a morte por perseguição. Não é essa a intenção das Forças de Defesa e Segurança (FDS). De uma forma ordeira, entreguem-se para não serem atingidos inocentemente, porque não têm aonde ir", apelou.

O chefe de Estado convidou ainda o líder da autoproclamada Junta militar da RENAMO, Mariano Nhongo, a aderir ao processo de desmobilização, desarmamento e reintegração (DDR) em curso no país.

"Mariano Nhongo, que não fique também à espera para que algo estranho lhe aconteça. Essa seria a maior desgraça para nós. Volte para nós", sublinhou o Presidente.

A região de Cabo Delgado tem sido alvo de ataques terroristas que mataram e desalojaram milhares de pessoas, deixando aldeias inteiras totalmente inabitadas desde o dia 5 de outubro de 2017.

Na próxima terça-feira (05.10), passam-se quatro anos desde o primeiro ataque registado em Mocímboa da Praia, distrito mais a norte da província.

Assistir ao vídeo 02:21

Moçambique: "Ataques terroristas não têm nada a ver com Islão"

Leia mais